sicnot

Perfil

País

Passos lamenta recurso à ofensa após ser acusado pelo PS de mentir

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, lamentou esta quarta-feira o recurso à ofensa no debate político, depois de ser acusado por deputados do PS de mentir sobre a emigração, a dívida e as desigualdades.

Passos Coelho defendeu não ter "nenhum problema de interpretação com a realidade" e dirigindo-se aos que o chamaram mentiroso, acrescentou: "Eu tenho demonstrado ao longo da minha vida, e também nestes quatro anos que levo como primeiro-ministro, uma preocupação evidente de nunca precisar de ofender ninguém para responder politicamente a quem preciso de responder. Lamento que as senhoras e os senhores deputados não façam o mesmo".

Passos Coelho defendeu não ter "nenhum problema de interpretação com a realidade" e dirigindo-se aos que o chamaram mentiroso, acrescentou: "Eu tenho demonstrado ao longo da minha vida, e também nestes quatro anos que levo como primeiro-ministro, uma preocupação evidente de nunca precisar de ofender ninguém para responder politicamente a quem preciso de responder. Lamento que as senhoras e os senhores deputados não façam o mesmo".

Lusa

No debate do "Estado da Nação", no parlamento, o deputado do PS Pedro Delgado Alves afirmou que o primeiro-ministro "mente quando diz que não houve aumento da emigração, mente quando diz que não houve aumento da dívida, mente quando diz que não houve aumento das desigualdades". A deputada do PS Odete João reforçou esta acusação: "O senhor continua a mentir, e a realidade desmente-o".

Na resposta, Passos Coelho defendeu não ter "nenhum problema de interpretação com a realidade" e dirigindo-se aos que o chamaram mentiroso, acrescentou: "Eu tenho demonstrado ao longo da minha vida, e também nestes quatro anos que levo como primeiro-ministro, uma preocupação evidente de nunca precisar de ofender ninguém para responder politicamente a quem preciso de responder. Lamento que as senhoras e os senhores deputados não façam o mesmo".

Na sua intervenção, o socialista Pedro Delgado Alves alegou que as mentiras que apontou ao primeiro-ministro correspondem ao que "os portugueses dizem na rua", insistindo: "O senhor primeiro-ministro mente, mente cirurgicamente, mente com habilidade, mas não poderá continuar a mentir".

Lusa

  • Tudo o que precisa saber sobre a moção de censura ao Governo

    País

    O Governo minoritário do PS enfrenta na terça-feira a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vai "chumbar" a iniciativa do CDS-PP. Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República. Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada.

  • Encontrado corpo de menina posta de castigo na rua pelo pai

    Mundo

    Sherin Mathews estava desaparecida desde o dia 7 de outubro. Este domingo a polícia do estado norte-americano do Texas encontrou o corpo de uma criança que acreditam ser a menina de três anos, desaparecida depois de o pai a colocar de castigo na rua, durante a madrugada.

    SIC

  • A cadela que desistiu da CIA para ir "perseguir esquilos e coelhos"

    Mundo

    Nem todos os cães têm aptidão para combater o crime. Este é o caso de Lulu, uma cadela que estava a treinar para ser agente da CIA, mas que acabou por entrar na reforma ainda durante os treinos. Através do Twitter, a agência norte-americana anunciou na semana passada que Lulu já não iria treinar mais e que tinha sido adotada pelo agente que a treinava.

    SIC

  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC