sicnot

Perfil

País

Candidato Paulo Freitas do Amaral quer reduzir para um terço despesas do Presidente

O candidato presidencial Paulo Freitas do Amaral referiu esta quinta-feira que, caso ganhe as eleições presidenciais do próximo ano, vai reduzir para um terço as despesas da Presidência da República, que, segundo a candidatura, custam 1,4 euros por cidadão.

A candidatura de Paulo Freitas do Amaral compromete-se, no caso de sair vencedora nas próximas Presidenciais de 2016, "em reduzir para um terço as despesas da Presidência da República através da redução dos cargos de nomeação politica, de gastos em remodelações, de festas e de outras mordomias supérfluas existentes atualmente". (Arquivo)

A candidatura de Paulo Freitas do Amaral compromete-se, no caso de sair vencedora nas próximas Presidenciais de 2016, "em reduzir para um terço as despesas da Presidência da República através da redução dos cargos de nomeação politica, de gastos em remodelações, de festas e de outras mordomias supérfluas existentes atualmente". (Arquivo)

A candidatura de Paulo Freitas do Amaral compromete-se, no caso de sair vencedora nas próximas Presidenciais de 2016, "em reduzir para um terço as despesas da Presidência da República através da redução dos cargos de nomeação politica, de gastos em remodelações, de festas e de outras mordomias supérfluas existentes atualmente", afirma em comunicado enviado à agência Lusa.

Paulo Freitas do Amaral sublinha também que "o orçamento anual da Presidência da República, no valor de 14 milhões de euros, é um atentado à dignidade dos portugueses que passam mais dificuldades".

"Se tivermos em conta que Portugal tem 10 milhões de portugueses, a Presidência da República estará a gastar 1,4 euros por cada cidadão, quando existem outros países como Inglaterra, em que a casa real inglesa gasta 0,93 euros por cada cidadão britânico, ou como em Espanha, onde a casa real despende ao Orçamento do Estado espanhol somente metade do orçamento da República Portuguesa", continua a nota.

Paulo Freitas do Amaral vincou ainda que "os chefes de Estado têm de ter a consciência da conjuntura em que estão a viver", e abdicar "de mordomias em prol de uma maior proximidade com as pessoas", apontando o exemplo do chefe de Estado do Vaticano, o papa Francisco.

"A democracia vivida desta forma simples e humilde, segundo princípios democratas-cristãos, é como ela deveria ser vivida por todos os políticos", concluiu o candidato.

Paulo Freitas de Amaral apresentou a sua candidatura à Presidência da República a 30 de maio em Guimarães.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.