sicnot

Perfil

País

Lisboa apresenta plano de repavimentação de ruas

Lisboa apresenta plano de repavimentação de ruas

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, apresentou esta quinta-feira o Plano de Pavimentação de Vias. O plano pretende melhorar a circulação dos lisboetas através da recuperação de vias e arruamentos.

O programa está disponível no site da Câmara de Lisboa.

Aos jornalistas, Fernando Medina (PS) explicou que o plano "Pavimentar Lisboa" resulta do reconhecimento do "elevado estado de degradação dos pavimentos, nas estradas e passeios, da cidade".

"Tínhamos a ambição de dar um salto qualitativo e quantitativo na vida dos lisboetas e, por isso, nos próximos dois anos, será feita uma intervenção em 150 arruamentos da cidade, numa extensão de cerca de 100 quilómetros e num investimento de 25 milhões de euros", disse o autarca.

Fernando Medina sublinhou que a intenção assenta em "mais segurança, mais conforto e melhor mobilidade", quer para quem ande de carro, ou a pé, com qualquer limitação física que tenha.

O tipo de obras, segundo explicou, irá variar consoante os problemas detetados nos diferentes arruamentos, sendo que, em algumas vias, a intervenção terá de ser "de fundo", com a substituição integral da pavimentação.

Os passeios, sempre que se justifique, serão nivelados para facilitar a mobilidade das pessoas com dificuldades, bem como as passadeiras, que, em alguns casos, serão táteis para servir os invisuais.

Afirmando-se consciente de que "nem tudo será perfeito", o presidente da Câmara de Lisboa disse ainda dispor-se a "prestar contas" aos munícipes e, por isso, convocará, trimestralmente, uma conferência de imprensa para fazer o balanço do plano de intervenção.

"Este é um programa que queremos que seja transparente, aberto e monitorizado pelos lisboetas. A câmara expõe-se à avaliação sistemática para criar confiança", sustentou.

O autarca alertou ainda para eventuais alterações de calendário, uma vez que há necessidade de coordenar as obras com vista a "causar o menor impacto possível" no trânsito.

Para este ano, a previsão é intervir em 40 arruamentos, num investimento de 10 milhões de euros.

A Avenida das Forças Armadas, a Avenida Gago Coutinho, a Avenida Estados Unidos da América, Entrecampos e Campo Grande serão algumas das zonas onde irão decorrer as obras.

Em 2016, a grande intervenção será feita na Segunda Circular, que "já não tem uma intervenção de fundo há várias décadas", segundo Fernando Medina.

"Há pontos negros a ser corrigidos e há problemas de segurança. Por isso, queremos que seja uma via mais amigável e segura", frisou.

As obras previstas no plano já arrancaram em algumas zonas da cidade. 

Um dos principais eixos de Campo de Ourique, a rua Sampaio Bruno, local escolhido para a conferência de imprensa de hoje, está já a ser intervencionada e os trabalhos deverão estar concluídos dentro de dois meses.

Depois de "ter sido difícil recuperar da delicada situação financeira de 2007", Fernando Medina considerou este como "um dos mais ambiciosos programas até ao final do mandato".

Com Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.