sicnot

Perfil

País

Lisboa apresenta plano de repavimentação de ruas

Lisboa apresenta plano de repavimentação de ruas

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, apresentou esta quinta-feira o Plano de Pavimentação de Vias. O plano pretende melhorar a circulação dos lisboetas através da recuperação de vias e arruamentos.

O programa está disponível no site da Câmara de Lisboa.

Aos jornalistas, Fernando Medina (PS) explicou que o plano "Pavimentar Lisboa" resulta do reconhecimento do "elevado estado de degradação dos pavimentos, nas estradas e passeios, da cidade".

"Tínhamos a ambição de dar um salto qualitativo e quantitativo na vida dos lisboetas e, por isso, nos próximos dois anos, será feita uma intervenção em 150 arruamentos da cidade, numa extensão de cerca de 100 quilómetros e num investimento de 25 milhões de euros", disse o autarca.

Fernando Medina sublinhou que a intenção assenta em "mais segurança, mais conforto e melhor mobilidade", quer para quem ande de carro, ou a pé, com qualquer limitação física que tenha.

O tipo de obras, segundo explicou, irá variar consoante os problemas detetados nos diferentes arruamentos, sendo que, em algumas vias, a intervenção terá de ser "de fundo", com a substituição integral da pavimentação.

Os passeios, sempre que se justifique, serão nivelados para facilitar a mobilidade das pessoas com dificuldades, bem como as passadeiras, que, em alguns casos, serão táteis para servir os invisuais.

Afirmando-se consciente de que "nem tudo será perfeito", o presidente da Câmara de Lisboa disse ainda dispor-se a "prestar contas" aos munícipes e, por isso, convocará, trimestralmente, uma conferência de imprensa para fazer o balanço do plano de intervenção.

"Este é um programa que queremos que seja transparente, aberto e monitorizado pelos lisboetas. A câmara expõe-se à avaliação sistemática para criar confiança", sustentou.

O autarca alertou ainda para eventuais alterações de calendário, uma vez que há necessidade de coordenar as obras com vista a "causar o menor impacto possível" no trânsito.

Para este ano, a previsão é intervir em 40 arruamentos, num investimento de 10 milhões de euros.

A Avenida das Forças Armadas, a Avenida Gago Coutinho, a Avenida Estados Unidos da América, Entrecampos e Campo Grande serão algumas das zonas onde irão decorrer as obras.

Em 2016, a grande intervenção será feita na Segunda Circular, que "já não tem uma intervenção de fundo há várias décadas", segundo Fernando Medina.

"Há pontos negros a ser corrigidos e há problemas de segurança. Por isso, queremos que seja uma via mais amigável e segura", frisou.

As obras previstas no plano já arrancaram em algumas zonas da cidade. 

Um dos principais eixos de Campo de Ourique, a rua Sampaio Bruno, local escolhido para a conferência de imprensa de hoje, está já a ser intervencionada e os trabalhos deverão estar concluídos dentro de dois meses.

Depois de "ter sido difícil recuperar da delicada situação financeira de 2007", Fernando Medina considerou este como "um dos mais ambiciosos programas até ao final do mandato".

Com Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.