sicnot

Perfil

País

Adiada leitura da sentença de Manuel "Palito"

Foi adiada novamente a leitura da sentença de Manuel "Palito", o homem acusado de matar duas mulheres a tiro.

LUSA

A defesa do homem pediu ao tribunal que fosse feita prova de que foram feitos quatro disparos e não três, como sempre alegou. 

Assim, foi marcada uma nova sessão para a próxíma terça-feira em que vão ser ouvidos vários peritos. 

Em Abril do ano passado, o homem de 54 anos matou a tia e a sogra em São João da Pesqueira e feriu com gravidade a filha e a ex-mulher. Só foi apanhado pelas autoridades depois de 34 dias em fuga. 

Está acusado de quatro crimes de homicidio qualificado, dois deles na forma tentada.

  • Defesa de Manuel "Palito" diz que o arguido nunca tentou matar a filha
    0:42

    País

    A leitura do acórdão de Manuel "Palito" foi adiada para o dia 10 de julho. O adiamento foi pedido pela defesa devido a uma alteração processual. O coletivo de juízes deu como provada a existência de quatro disparos, embora só existam provas físicas de três. A defesa do presumível homicida de São João da Pesqueira, que está acusado de ter assassinado duas mulheres e provocado ferimentos a outras duas, diz que o arguido nunca tentou matar a filha e, por isso, pediu um adiamento para responder a esta alteração.

  • Ministério Público pede a condenação máxima para "Manuel Palito"
    1:28

    País

    O Ministério Público pediu a condenação máxima para o homicida que, no ano passado, matou duas mulheres e feriu outras duas em São João da Pesqueira, num caso que se tornou mais mediático depois de uma fuga às autoridades que durou mais de um mês. A defesa de Manuel Palito alega que o arguido agiu por impulso e não quis matar a ex-mulher e a filha.

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".