sicnot

Perfil

País

Jerónimo de Sousa diz que últimas sondagens revelam "clara derrota da direita"

O líder do PCP, Jerónimo Sousa, recorreu hoje aos resultados das últimas sondagens para sustentar que "o cenário do empate técnico é uma farsa" e que "o que demonstram é uma clara derrota da direita".

Lusa

Falando num jantar-comício em Aveiro, para apresentar Miguel Viegas como cabeça de lista da CDU, Jerónimo Sousa rejeitou a "manobra" de utilizar as sondagens para condicionar o voto, chamando a atenção para as leituras que são dadas aos resultados.

"Montam um cenário, que é uma farsa, com a ideia do empate técnico e da bipolarização, atribuindo à direita 35% das intenções de voto, mas falta dizer que há quatro anos PSD e CDS juntos tinham mais de 50% e que vão levar uma banhada. O que as sondagens mostram é a derrota da direita e o isolamento social dos partidos do governo, pelo mal que fizeram ao país", sustentou.

Segundo Jerónimo Sousa, o legado que PSD e CDS deixam dos quatro anos no poder é um país "mais endividado (que devia 170 mil milhões de euros há quatro anos e a dívida hoje chega aos 220 mil milhões), com mais desemprego (1,2 milhões de desempregados), mais pobres (800 mil pessoas em risco de pobreza) e em que 10% da população ativa teve de emigrar.

"Vão dizer que estamos no bom caminho, quando está escrito no programa de estabilidade que pretendem cortar mais 600 milhões de euros na Segurança Social e 370 milhões das despesas com Saúde e Educação", perguntou.

Se, para o secretário-geral do PCP nada de novo é de esperar da coligação no poder, o PS "nas questões de fundo, ou não responde, ou responde mal", pelo que só "uma política patriótica de esquerda", protagonizada pela CDU, é a alternativa.

"O PCP há quatro anos propôs a renegociação da dívida e, como se vê, com um crescimento de 1,5% e juros a 3% a dívida aumenta exponencialmente, mas o PS nada diz sobre renegociação", recordou Jerónimo Sousa.

Quanto à redução do défice imposta pelo Tratado Orçamental, o líder do PCP diz que "António Costa foge ao problema, afirmando que o PS faz uma leitura inteligente (do Tratado), mas quando confrontado diz que não está dentro da máquina fiscal para resolver".

No que respeita à Segurança Social, o PS quer "aumentar a idade da reforma e o plafonamento, para ficar uma Segurança Social dos pobrezinhos para pobrezinhos, e baixa a taxa social para os trabalhadores, esquecendo-se de dizer que depois terão uma reforma miserável".

Por isso conclui que nas próximas eleições legislativas "não chega derrotar o governo da direita, é preciso derrotar a política de direita, o que passa pelo reforço do peso eleitoral da CDU.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57