sicnot

Perfil

País

Jerónimo de Sousa diz que últimas sondagens revelam "clara derrota da direita"

O líder do PCP, Jerónimo Sousa, recorreu hoje aos resultados das últimas sondagens para sustentar que "o cenário do empate técnico é uma farsa" e que "o que demonstram é uma clara derrota da direita".

Lusa

Falando num jantar-comício em Aveiro, para apresentar Miguel Viegas como cabeça de lista da CDU, Jerónimo Sousa rejeitou a "manobra" de utilizar as sondagens para condicionar o voto, chamando a atenção para as leituras que são dadas aos resultados.

"Montam um cenário, que é uma farsa, com a ideia do empate técnico e da bipolarização, atribuindo à direita 35% das intenções de voto, mas falta dizer que há quatro anos PSD e CDS juntos tinham mais de 50% e que vão levar uma banhada. O que as sondagens mostram é a derrota da direita e o isolamento social dos partidos do governo, pelo mal que fizeram ao país", sustentou.

Segundo Jerónimo Sousa, o legado que PSD e CDS deixam dos quatro anos no poder é um país "mais endividado (que devia 170 mil milhões de euros há quatro anos e a dívida hoje chega aos 220 mil milhões), com mais desemprego (1,2 milhões de desempregados), mais pobres (800 mil pessoas em risco de pobreza) e em que 10% da população ativa teve de emigrar.

"Vão dizer que estamos no bom caminho, quando está escrito no programa de estabilidade que pretendem cortar mais 600 milhões de euros na Segurança Social e 370 milhões das despesas com Saúde e Educação", perguntou.

Se, para o secretário-geral do PCP nada de novo é de esperar da coligação no poder, o PS "nas questões de fundo, ou não responde, ou responde mal", pelo que só "uma política patriótica de esquerda", protagonizada pela CDU, é a alternativa.

"O PCP há quatro anos propôs a renegociação da dívida e, como se vê, com um crescimento de 1,5% e juros a 3% a dívida aumenta exponencialmente, mas o PS nada diz sobre renegociação", recordou Jerónimo Sousa.

Quanto à redução do défice imposta pelo Tratado Orçamental, o líder do PCP diz que "António Costa foge ao problema, afirmando que o PS faz uma leitura inteligente (do Tratado), mas quando confrontado diz que não está dentro da máquina fiscal para resolver".

No que respeita à Segurança Social, o PS quer "aumentar a idade da reforma e o plafonamento, para ficar uma Segurança Social dos pobrezinhos para pobrezinhos, e baixa a taxa social para os trabalhadores, esquecendo-se de dizer que depois terão uma reforma miserável".

Por isso conclui que nas próximas eleições legislativas "não chega derrotar o governo da direita, é preciso derrotar a política de direita, o que passa pelo reforço do peso eleitoral da CDU.

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31
  • 245 saltam de ponte de 30m no Brasil para Recorde do Guiness
    1:56
  • Antigos presidentes dos EUA angariam 26 milhões para vítimas dos furacões
    0:58

    Mundo

    Os cinco antigos presidentes dos Estados Unidos da América ainda vivos juntaram-se para ajudar as vítimas dos furacões. Bill Clinton e Barack Obama lembraram as vítimas dos furacões e elogiaram o espírito solidário dos norte-americanos. Os antigos presidentes norte-americanos lançaram o apelo no início do mês passado e já conseguiram angariar cerca de 26 milhões de euros.