sicnot

Perfil

País

Gil Martins condenado a 4 anos e meio com pena suspensa

Gil Martins foi hoje condenado a quatro anos e seis meses de prisão por peculato, com pena suspensa pelo mesmo período. O antigo comandante da Proteção Civil é ainda obrigado a pagar ao Estado o dinheiro de que era acusado de ter desviado e fica proibido de exercer funções.

Além da pena de prisão, o ex-comandante nacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil foi condenado a pagar ao Estado 102.537 euros e como pena acessória fica proibido de exercer a função de comandante operacional durante quatro anos.

Gil Martins foi absolvido do crime de falsificação de documentos de que vinha acusado.

Em causa  está o desvio de mais de 100 mil euros do dispositivo nacional de combate a incêndios, alegadamente para proveito do arguido, assim como de familiares e amigos, em refeições, estadias em hotéis, telemóveis, televisão, vídeo, material fotográfico e equipamento informático.

O arguido apresentou a sua demissão, em março de 2011, ao então ministro da Administração Interna Rui Pereira.

Com Lusa

  • Gil Martins nega ter armado esquema para lesar o Estado
    2:04

    País

    O antigo comandante da autoridade nacional de Proteção Civil nega ter armado um esquema para lesar o Estado em 116 mil euros. Gil Martins começou hoje a ser julgado por peculato e falsificação de documentos, e diz que nunca desviou dinheiro para uso pessoal: No entanto, disse em tribunal que uma auditoria à autoridade de Proteção Civil revelaria várias ilegalidades cometidas nos últimos anos.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.