sicnot

Perfil

País

Notas nos exames do secundário sobem e Matemática chega à positiva

As notas nos exames nacionais do ensino secundário registaram, na generalidade, uma melhoria relativamente ao ano anterior, com destaque para Matemática A que subiu 2,8 valores, passando de média negativa para positiva.

(Reuters/Arquivo)

Este ano, os alunos internos do 11.º e 12.º ano realizaram quase 320 mil exames finais nacionais e, segundo dados do Ministério da Educação e Ciência (MEC), registou-se uma melhoria em relação aos resultados do ano anterior.

A segunda disciplina com mais provas realizadas passou de negativa a positiva: a média dos mais de 33 mil exames de Matemática A foi de 12 valores, depois de vários anos sem conseguir chegar à positiva. 

No ano passado, a média foi 9,2 valores e no ano anterior de 9,7. 

A percentagem de alunos que este ano chumbou a Matemática foi de 11 por cento, contra 22% o ano passado.

Já a média da disciplina de Português, que este ano foi realizada por 51.820 alunos internos, foi de 11 valores (no ano passado foi de 11,6) e a taxa de reprovação subiu um ponto percentual, passando de cinco para 6% do total de estudantes. 

A terceira disciplina com mais provas realizadas por alunos internos foi Biologia e Geologia, que registou a maior descida (menos 2,1 valores), passando de média positiva para negativa ao ficar-se este ano nos 8,9 valores. 

Cerca de 28 mil alunos fizeram a prova de Física e Química A, cuja média subiu mas não conseguiu passar a positiva, ficando-se nos 9,9 valores.

No geral, registou-se uma melhoria superior a meio valor na classificação média de exame dos alunos internos em nove das 22 disciplinas e em 6 a média das classificações reduziu mais de meio valor.

Estas melhorias dizem respeito aos alunos internos, que frequentaram as aulas durante todo o ano letivo e que passaram à disciplina, uma vez que a média dos alunos autopropostos foi, na maioria dos casos, mais baixa. 

Com exceção das disciplinas de Alemão e Inglês, os alunos internos voltaram a obter classificações mais elevadas do que as alcançadas pelos autopropostos. 

As diferenças mais significativas, entre os resultados dos alunos internos e dos autopropostos, encontram-se nas disciplinas de Geometria Descritiva A e Matemática A (635), respetivamente com 4,7 e 5,2 valores de diferença. 

As disciplinas onde as diferenças são mais ténues são Física e Química A (715), Biologia e Geologia, com uma diferença de apenas 1,3 valores.

Somando todos os exames, as disciplinas com mais provas realizadas foram Português (70.562 exames), Matemática A (47.901), Física e Química A (47.623) e Biologia e Geologia (45.619 provas).

Este ano, os exames do secundário foram realizados em 649 escolas e só para a 1.ª fase foram registadas 344.017 inscrições, tendo sido realizadas 319.409 provas, o que corresponde a cerca de 93% das inscrições.

Lusa

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".