sicnot

Perfil

País

Fenprof fala em alteração dos critérios das provas durante correção, IAVE nega

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) disse esta terça-feira que os critérios de correção dos exames nacionais foram alterados quando os professores corretores já estavam a trabalhar nas avaliações, mas o instituto responsável pelas provas nega a acusação.

Arquivo Reuters

Arquivo Reuters

REUTERS

Na terça-feira, o Ministério da Educação e Ciência (MEC) divulgou as médias das notas dos exames do secundário e os resultados de duas disciplinas revelaram-se surpreendentes: Matemática A teve uma melhoria de 2,8 valores, passando de média negativa para positiva, e Biologia e Geologia desceu mais de dois valores.

Os resultados médios dos exames levaram o ministro da Educação a solicitar ao Instituto de Avaliação Educativa (IAVE) que verificasse se foi mantido o "grau de exigência global semelhante" ao dos últimos anos.

Pouco depois, o IAVE explicava que a melhoria dos resultados estava relacionado com o facto de este ano as provas de matemática do 12.º ano conterem matéria do 10.º ano.

A Fenprof veio hoje, em comunicado, dizer que "as alterações aos critérios de correção chegaram aos professores corretores, já no período em que desenvolviam a tarefa".

Em resposta à Lusa, o IAVE garante que "não houve qualquer alteração dos critérios de classificação".

De acordo com aquele organismo, a novidade deste ano é que foi possível aceitar respostas consideradas corretas ou válidas, que não estariam inicialmente previstas, mas que foram aceites por sugestão de professores corretores já no decorrer do período de correção.

O IAVE explicou que este ano os critérios de classificação constituiram "transitoriamente um documento de trabalho, permitindo incorporar na versão final todos os contributos que os professores classificadores partilharam com os seus supervisores, e estes com o IAVE, os quais decorreram da análise cuidada das respostas de todos os alunos".

Para o IAVE, "esta nova metodologia visa manter e reforçar a equidade no processo de classificação, uma vez que pretende assegurar que as respostas não previstas, mas igualmente corretas ou válidas, são classificadas mediante os mesmos critérios."

O IAVE acusou ainda a Fenprof de fazer declarações sem "qualquer sentido se não o de desvirtuar o significado das medidas tomadas".

Questionado hoje sobre o pedido de análise das provas, à margem da cerimónia de assinatura de um protocolo para o ensino de Mandarim nas escolas, Nuno Crato disse aos jornalistas que o MEC está "sempre interessado em que as provas sejam analisadas para que se perceba exatamente o que se passou".

Sublinhando que o MEC quer que "exista uma semelhança conceptual entre as diversas provas de ano para ano para se perceber em que medida se está a avançar", Nuno Crato recusou alguma vez ter falado em facilitismo das provas.

"A única coisa que dissemos ao IAVE - que é um instituto autónomo e que tem a responsabilidade de fazer as provas de acordo com os seus critérios e com as equipas de especialistas produzem - é o que dizemos todos os anos: Após a realização das provas é necessário refletir sobre os seus resultados para tentar melhorar as provas", afirmou.

Nuno Crato acrescentou que é preciso manter "uma semelhança conceptual de ano para ano de forma a que as variações nas classificações possam dar indicações sólidas sobre o que se está a passar no ensino".

Lusa

  • "Só tive tempo de avisar o meu sogro e o meu marido e disse: corram!"
    2:17
  • Drone inglês evita execução do Daesh na Síria
    2:08

    Mundo

    A Força Aérea britânica divulgou esta terça-feira um vídeo que mostra um drone a parar uma execução pública que estaria prestes a acontecer às mãos do Daesh, na Síria. As imagens, apesar de cortadas pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, mostram várias pessoas na rua, uma explosão e, depois, a fuga.

  • "Atrás das Câmaras" em Fátima
    2:48
  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15
  • PS quer reconquistar poder em Vila Viçosa
    2:06

    Autárquicas 2017

    Ana Catarina Mendes insistiu na ideia de que o PSD escolheu um modo perigoso de fazer campanha, ao insistir nas críticas à lei da imigração. Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta do PS, esteve esta quarta-feira em campanha no distrito de Évora.

  • Troca de argumentos entre Medina e Cristas marca campanha em Lisboa
    2:34

    Autárquicas 2017

    Esta quarta-feira o dia de campanha em Lisboa ficou marcado por uma troca de argumentos entre Fernando Medina e Assunção Cristas. O atual presidente da Câmara acusa a candidata do CDS de não respeitar os lisboetas por admitir que pode não exercer o cargo de vereadora até ao fim do mandato. Já Assunção Cristas garante que se for eleita cumpre o mandato até ao fim.

  • "Não toleramos ameaças de ninguém"
    2:13
  • Número de tartarugas marinhas está a aumentar

    Mundo

    O número de tartarugas marinhas está a crescer, levando investigadores a considerar que os esforços para salvar estes animais são uma "história de sucesso da conservação global", indica um estudo divulgado esta quarta-feira.

  • Tubarões vivem mais tempo do que se pensava

    Mundo

    Uma revisão de dados sobre avaliação da idade dos tubarões revela que muitas espécies têm maior longevidade do que se pensava, o que poderá obrigar a uma revisão dos planos de conservação das mais ameaçadas.

  • Como mudar um templo com 135 anos e 2 mil toneladas... de lugar

    Mundo

    Um templo budista do século XIX é um dos mais populares em Xangai, na China. Visitado diariamente por milhares de pessoas, precisava de ser relocalizado para evitar que uma tragédia acontecesse. E mesmo pesando cerca de duas mil toneladas, a missão acabou por se provar possível.

  • Casal morre com horas de diferença depois de 75 anos de casamento

    Mundo

    George e Jean Spear morreram no passado dia 15 de setembro, no hospital de Queensway Carleton, em Ottawa (Canadá), depois de terem celebrado 75 anos de casamento em agosto. A britânica de 94 anos conheceu o candaniano em 1941, num salão de bailes, em Londres. George Spear servia as Forças Armadas durante a Segunda Guerra Mundial.

    SIC