sicnot

Perfil

País

Fenprof fala em alteração dos critérios das provas durante correção, IAVE nega

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) disse esta terça-feira que os critérios de correção dos exames nacionais foram alterados quando os professores corretores já estavam a trabalhar nas avaliações, mas o instituto responsável pelas provas nega a acusação.

Arquivo Reuters

Arquivo Reuters

REUTERS

Na terça-feira, o Ministério da Educação e Ciência (MEC) divulgou as médias das notas dos exames do secundário e os resultados de duas disciplinas revelaram-se surpreendentes: Matemática A teve uma melhoria de 2,8 valores, passando de média negativa para positiva, e Biologia e Geologia desceu mais de dois valores.

Os resultados médios dos exames levaram o ministro da Educação a solicitar ao Instituto de Avaliação Educativa (IAVE) que verificasse se foi mantido o "grau de exigência global semelhante" ao dos últimos anos.

Pouco depois, o IAVE explicava que a melhoria dos resultados estava relacionado com o facto de este ano as provas de matemática do 12.º ano conterem matéria do 10.º ano.

A Fenprof veio hoje, em comunicado, dizer que "as alterações aos critérios de correção chegaram aos professores corretores, já no período em que desenvolviam a tarefa".

Em resposta à Lusa, o IAVE garante que "não houve qualquer alteração dos critérios de classificação".

De acordo com aquele organismo, a novidade deste ano é que foi possível aceitar respostas consideradas corretas ou válidas, que não estariam inicialmente previstas, mas que foram aceites por sugestão de professores corretores já no decorrer do período de correção.

O IAVE explicou que este ano os critérios de classificação constituiram "transitoriamente um documento de trabalho, permitindo incorporar na versão final todos os contributos que os professores classificadores partilharam com os seus supervisores, e estes com o IAVE, os quais decorreram da análise cuidada das respostas de todos os alunos".

Para o IAVE, "esta nova metodologia visa manter e reforçar a equidade no processo de classificação, uma vez que pretende assegurar que as respostas não previstas, mas igualmente corretas ou válidas, são classificadas mediante os mesmos critérios."

O IAVE acusou ainda a Fenprof de fazer declarações sem "qualquer sentido se não o de desvirtuar o significado das medidas tomadas".

Questionado hoje sobre o pedido de análise das provas, à margem da cerimónia de assinatura de um protocolo para o ensino de Mandarim nas escolas, Nuno Crato disse aos jornalistas que o MEC está "sempre interessado em que as provas sejam analisadas para que se perceba exatamente o que se passou".

Sublinhando que o MEC quer que "exista uma semelhança conceptual entre as diversas provas de ano para ano para se perceber em que medida se está a avançar", Nuno Crato recusou alguma vez ter falado em facilitismo das provas.

"A única coisa que dissemos ao IAVE - que é um instituto autónomo e que tem a responsabilidade de fazer as provas de acordo com os seus critérios e com as equipas de especialistas produzem - é o que dizemos todos os anos: Após a realização das provas é necessário refletir sobre os seus resultados para tentar melhorar as provas", afirmou.

Nuno Crato acrescentou que é preciso manter "uma semelhança conceptual de ano para ano de forma a que as variações nas classificações possam dar indicações sólidas sobre o que se está a passar no ensino".

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41