sicnot

Perfil

País

As palavras mais repetidas nas entrevistas de Passos e Costa

O que mais se ouviu durante a entrevista do primeiro-ministro, ontem à SIC? "Governo" e "Partido Socialista" foram as palavras mais proferidas por Passos Coelho, que também muito referiu a Grécia. Em comparação, "rendimento" foi o termo mais usado por António Costa, há cerca de três semanas, quando passou pelo Jornal da Noite.

As palavras mais usadas por Passos Coelho

As palavras mais usadas por Passos Coelho

As palavras mais usadas por António Costa

As palavras mais usadas por António Costa

No topo da lista de palavras mais ditas na entrevista de Passos Coelho - sem contar com advérbios, pronomes, verbos, números e outros termos que não fazem sentido isolados - está "Governo", repetido 31 vezes. E logo depois vem a expressão "Partido Socialista", escutada por 30 vezes. Já "coligação" foi palavra usada 11 vezes.

Também a Grécia faz parte do "top 5" das palavras empregues pelo primeiro-ministro, é a terceira da lista (28 vezes), à frente de "programa" (26) e de Portugal (25).

"Emprego" foi termo usado por Passos Coelho em 19 momentos, de "desemprego" falou-se por nove vezes.

O top 10 de Passos Coelho

  1. 1. Governo (31)
  2. 2. Partido Socialista (30)
  3. 3. Grécia (28)
  4. 4. programa (26)
  5. 5. Portugal (25)
  6. 6. emprego (19)
  7. 7. novo (18)
  8. 8. país (17)
  9. eleições (17)
  10. problema (15)

António Costa e o rendimento

A entrevista de ontem ao primeiro-ministro sucedeu outra dada pelo líder do PS há cerca de três semanas. Na ocasião, António Costa repetiu por 23 a palavra "rendimento" (tanto no singular como no plural). "Social" (22) foi a segunda palavra mais usada, seguida de "Governo" (18).

Destacam-se ainda palavras como "empresas" (15), "emprego" (12) ou "confiança" (12).

O top 10 de António Costa

  1. 1. rendimento (23)
  2. 2. social (22)
  3. 3. Governo (18)
  4. 4. empresas (15)
  5. 5. economia (14)
  6. 6. emprego (12)
  7. 7. medida (12)
  8. 8. confiança (12)
  9. 9. pessoas (11)
  10. 10. segurança (11)

E a maioria?

Tanto António Costa como Passos Coelho empregaram a palavra "maioria" no seu discurso, mas o secretário-geral do PS repetiu-a mais vezes: oito contra cinco.

  • "Não estou numa postura do: é preciso ganhar custe o que custar"
    44:13

    País

    Pedro Passos Coelho disse, esta noite, em entrevista exclusiva à SIC, que não quer uma vitória nas eleições legislativas a todo o custo. O primeiro-ministro sublinha que é preciso uma maioria estável e inequívoca na próxima legislatura, mas afirma que para ganhar as eleições não vale tudo. Durante a conversa com a jornalista Clara de Sousa, o chefe do Governo português prometeu devolver a sobretaxa e reduzir a carga fiscal dos portugueses nos próximos quatro anos. Quando foi confrontado sobre se não teria já sido possível ter aliviado a austeridade, Passos Coelho disse que o Executivo optou pela prudência. Sobre o programa de António Costa, considerou-o irrealista. Passos Coelho voltou ainda a desafiar o Partido Socialista para uma reforma da Segurança Social. E sobre as presidenciais só fala a partir de Outubro.

  • "É muito importante para Portugal que haja estabilidade política"
    3:18

    País

    Passos Coelho defende que das próximas legislativas deve resultar um "ganhador inequívoco", com maioria absoluta para governar, quer seja a maioria ou o PS. O primeiro-ministro frisa que não está garantida uma vitória dos socialistas nas eleições e apela ao voto útil na coligação, em nome da estabilidade do país.

  • "É urgente mudar esta página da austeridade"
    35:18

    País

    O secretário-geral do PS promete aumentar o número de escalões e a progressividade do IRS para desagravar a classe média e defendeu que na privatização da TAP apenas foi assinado uma espécie de contrato-promessa. António Costa defende que "é urgente mudar esta página da austeridade". Veja ou reveja a entrevista na íntegra do líder socialista, no Jornal da Noite desta quinta-feira.

  • Costa admite "nervos de aço" para lidar com o caso Sócrates
    3:43

    País

    António Costa diz que a descida temporária da TSU para os trabalhadores vai ser obrigatória e garante que as pensões futuras não serão afetadas. Em entrevista à SIC, o secretário-geral do PS não se comprometeu com aumentos do salário mínimo ou com os novos escalões do IRS. Sobre o caso Sócrates, Costa diz que quem exerce funções públicas tem de ter coração e nervos de aço, e manter uma postura institucional, mesmo que lhe doa a alma.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.