sicnot

Perfil

País

Concessão do Oceanário de Lisboa foi formalizada

A concessão por 30 anos do Oceanário de Lisboa à Sociedade Francisco Manuel dos Santos (SFMS), através da Fundação Oceano Azul, foi hoje formalizada em Lisboa com a assinatura do contrato de alienação das ações daquele equipamento.

ANT\303\223NIO COTRIM

A missão da Fundação Oceano Azul passa por "mobilizar a sociedade portuguesa para a temática dos oceanos", referiu hoje o administrador da SFMS José Soares dos Santos. A sociedade pretende tornar a Fundação, "em conjunto com o Oceanário, como referência - primeiro europeia e depois mundial - de conhecimento, de ciência e de cultura sobre os oceanos".

O Conselho de Ministros aprovou a 02 de julho a concessão do Oceanário de Lisboa à SFMS, que apresentou uma proposta de "mérito inquestionável" com um encaixe financeiro para o Estado de 114 milhões de euros.

Dos 114 milhões de euros, 24 milhões são relativos à alienação das ações da sociedade concessionária do Oceanário de Lisboa e o resto à concessão do oceanário por 30 anos, num total de 79 milhões de euros.

José Soares dos Santos anunciou o "compromisso de a SFMS investir a fundo perdido 40 milhões de euros para os primeiros dez anos de concessão".

Além disso, o responsável garantiu que "todos os fundos gerados -- pelo Oceanário ou parcerias que serão feitos, que tragam ciência, cultura e investimento para Portugal -- serão mantidos dentro da Fundação Oceano Azul e serão todos integralmente reinvestidos no Oceanário, na temática da conservação dos oceanos, desenvolvimento da ciência dos oceanos e da garantia que Portugal se torna uma plataforma de discussão e conhecimento do mar a nível global".

A estratégia da SFMS, do grupo Jerónimo Martins, passa por "manter o Oceanário na missão de serviço público", tornando-o "uma referência global em termos de cultura, ciência e literacia dos oceanos", explicou.

O ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, destacou o "excelente resultado" do processo de concessão do Oceanário de Lisboa, "tanto no plano financeiro, 114 milhões de euros, como no plano estratégico".

"Não se trata de compromissos teóricos, a SFMS teve o cuidado de detalhar a forma como vai prosseguir a sua estratégia, que ao aquário público e às suas funções tradicionais associa novas valências: de afirmação internacional, de investigação e desenvolvimento, de conservação dos oceanos e de educação ambiental", afirmou o governante.

De acordo com Jorge Moreira da Silva, "aos 114 milhões de euros que o Estado receberá devem somar-se 110 milhões de euros, que é o que se estima de resultados ao longo dos 30 anos, além do fundo perdido de 40 milhões de euros".

O ministro salientou que este processo de concessão "tem vantagens para os contribuintes, porque evitou-se um impacto negativo que poderia resultar no processo de liquidação da Parque Expo", porque haverá uma "manutenção das atividades que o Oceanário já realiza hoje" e "reforça as valências do Oceanário".

O equipamento, no Parque das Nações, é um dos ativos que o Governo escolheu alienar ou concessionar para ajudar a reduzir a dívida da Parque Expo, sociedade criada a propósito da Expo'98 e atualmente em liquidação, depois de o executivo ter anunciado em 2011 a sua extinção.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.