sicnot

Perfil

País

Concessão do Oceanário de Lisboa foi formalizada

A concessão por 30 anos do Oceanário de Lisboa à Sociedade Francisco Manuel dos Santos (SFMS), através da Fundação Oceano Azul, foi hoje formalizada em Lisboa com a assinatura do contrato de alienação das ações daquele equipamento.

ANT\303\223NIO COTRIM

A missão da Fundação Oceano Azul passa por "mobilizar a sociedade portuguesa para a temática dos oceanos", referiu hoje o administrador da SFMS José Soares dos Santos. A sociedade pretende tornar a Fundação, "em conjunto com o Oceanário, como referência - primeiro europeia e depois mundial - de conhecimento, de ciência e de cultura sobre os oceanos".

O Conselho de Ministros aprovou a 02 de julho a concessão do Oceanário de Lisboa à SFMS, que apresentou uma proposta de "mérito inquestionável" com um encaixe financeiro para o Estado de 114 milhões de euros.

Dos 114 milhões de euros, 24 milhões são relativos à alienação das ações da sociedade concessionária do Oceanário de Lisboa e o resto à concessão do oceanário por 30 anos, num total de 79 milhões de euros.

José Soares dos Santos anunciou o "compromisso de a SFMS investir a fundo perdido 40 milhões de euros para os primeiros dez anos de concessão".

Além disso, o responsável garantiu que "todos os fundos gerados -- pelo Oceanário ou parcerias que serão feitos, que tragam ciência, cultura e investimento para Portugal -- serão mantidos dentro da Fundação Oceano Azul e serão todos integralmente reinvestidos no Oceanário, na temática da conservação dos oceanos, desenvolvimento da ciência dos oceanos e da garantia que Portugal se torna uma plataforma de discussão e conhecimento do mar a nível global".

A estratégia da SFMS, do grupo Jerónimo Martins, passa por "manter o Oceanário na missão de serviço público", tornando-o "uma referência global em termos de cultura, ciência e literacia dos oceanos", explicou.

O ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, destacou o "excelente resultado" do processo de concessão do Oceanário de Lisboa, "tanto no plano financeiro, 114 milhões de euros, como no plano estratégico".

"Não se trata de compromissos teóricos, a SFMS teve o cuidado de detalhar a forma como vai prosseguir a sua estratégia, que ao aquário público e às suas funções tradicionais associa novas valências: de afirmação internacional, de investigação e desenvolvimento, de conservação dos oceanos e de educação ambiental", afirmou o governante.

De acordo com Jorge Moreira da Silva, "aos 114 milhões de euros que o Estado receberá devem somar-se 110 milhões de euros, que é o que se estima de resultados ao longo dos 30 anos, além do fundo perdido de 40 milhões de euros".

O ministro salientou que este processo de concessão "tem vantagens para os contribuintes, porque evitou-se um impacto negativo que poderia resultar no processo de liquidação da Parque Expo", porque haverá uma "manutenção das atividades que o Oceanário já realiza hoje" e "reforça as valências do Oceanário".

O equipamento, no Parque das Nações, é um dos ativos que o Governo escolheu alienar ou concessionar para ajudar a reduzir a dívida da Parque Expo, sociedade criada a propósito da Expo'98 e atualmente em liquidação, depois de o executivo ter anunciado em 2011 a sua extinção.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.