sicnot

Perfil

País

Costa diz que Passos julga que "é possível enganar toda a gente o tempo todo"

O secretário-geral do PS voltou esta noite, em Gondomar, a atacar Passos Coelho, afirmando que "a ideia de que é sempre possível enganar toda a gente o tempo todo parece ter-se tornado um vício para o primeiro-ministro".

(Lusa/ Arquivo)

António Costa disse que tudo "começou há quatro anos", quando Passos Coelho ganhou as eleições "prometendo que não cortava as pensões e que não cortava os salários, que depois cortou".

"Prometeu não subir os impostos e depois subiu. Continua-nos a enganar, dizendo que fez uma boa gestão das finanças públicas, e a dívida que recebeu, em vez de ter diminuído, em vez, ao menos, de se ter mantido, não para de aumentar, e é assim que é a gestão do atual primeiro-ministro", continuou.

O líder socialista falava num jantar-comício que, segundo fonte da sua campanha, juntou cerca de 900 militantes e simpatizantes socialistas no Pavilhão Multiusos de Gondomar.

O jantar encerrou uma visita de trabalho de dois dias pelo distrito do Porto e António Costa aproveitou-o, nomeadamente, para falar em confiança, palavra dada e honra e, na sua perspetiva, demarcar-se assim de Passos Coelho.

"O que os portugueses hoje pedem é uma coisa muito simples: é um governo e um primeiro-ministro de confiança, é que pare o engano e que não continuemos esta trajetória que só nos levará a continuar os erros que têm sido cometidos", afirmou.

António Costa disse que "é tempo de mudar, de construir, de fazer e de confiança".

O PS, considerou, tem como responsabilidade "devolver a confiança".

"Foi por isso que seguimos uma estratégia que não foi andar de terra em terra a prometer tudo a todos. Não foi andar numa correria a fazer promessas, foi uma estratégia de ao longo de meses resistir à tentação de prometer isto e aquilo", prosseguiu.

Acrescentou que o partido fez o seu "trabalho de casa", aprovando uma "visão para a década" e fazendo contas, "para saber qual a margem orçamental" que tem e que compromisso pode "mesmo" assumir.

"Quando dizemos aos portugueses que vamos baixar o IVA da restauração, este é um compromisso que foi avaliado e que estamos em condições de poder honrar", tal como "eliminar a sobretaxa do IRSS e repor os vencimentos da função pública", assegurou.

"Aquilo que dizemos aos portugueses não são promessas, são compromissos, é palavra que é dada e que será honrada", reforçou António Costa.

Para o líder socialista, "o mais difícil não vai ser a campanha nem ganhar as eleições, vai ser mesmo recuperar este país do estado em que a direita está deixar este país".

"Não há voto que mereça quebrarmos aquilo que mais precioso cada um de nós tem, que é a sua credibilidade, a sua palavra, a sua honradez e é por isso que nossa campanha será uma campanha de confiança, para gerar confiança na nossa governação e levantar o país", concluiu António Costa.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.