sicnot

Perfil

País

Santa Casa da Misericórdia de Lisboa vai iniciar processo negocial para rever carreiras dos trabalhadores

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) anunciou hoje que vai iniciar "de imediato" com os sindicatos o processo negocial para o descongelamento das progressões nas carreiras dos trabalhadores.

De acordo com os resultados divulgados, as receitas correntes totais da SCML foram de 200,5 milhões de euros em 2014, tendo como principal contributo as receitas dos jogos sociais (que representam 77% da receita total). (Arquivo)

De acordo com os resultados divulgados, as receitas correntes totais da SCML foram de 200,5 milhões de euros em 2014, tendo como principal contributo as receitas dos jogos sociais (que representam 77% da receita total). (Arquivo)

SIC

Em comunicado, a SCML avança que vai ser "de imediato" iniciado o processo negocial com todas as associações sindicais com vista à "abertura do processo de progressão nas carreiras dos trabalhadores com contrato individual de trabalho".

Segundo a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, o processo negocial deverá igualmente incidir sobre a revisão das carreiras profissionais em vigor na SCML, com vista à "harmonização e a uma maior valorização dos recursos humanos".

A SCML adianta ainda que vai ser lançado, "de imediato", um concurso público para atribuição de um seguro de saúde aos trabalhadores com vínculo privado.

A 17 de abril, os trabalhadores da SCML realizaram a primeira greve de sempre na instituição, para exigir a atualização dos salários, congelados desde 2009, num protesto convocado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais.

Esta semana, dois sindicatos médicos ameaçam pedir a intervenção da Direção-Geral do Emprego, caso a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa continue a recusar negociar o acordo de empresa para os trabalhadores médicos da instituição.

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e o Sindicato dos Médicos da Zona Sul enviaram, na terça-feira, uma carta ao provedor da SCML, Pedro Santana Lopes, manifestando incompreensão pela "recusa" em conversações formais ou informais, no âmbito do processo negocial para celebrar um acordo de empresa para os médicos que exercem funções na Santa Casa.

Lusa

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.