sicnot

Perfil

País

Educação em Portugal é teórica, com muitos exames e pouco flexível

O docente universitário e especialista em ensino da matemática Jaime Carvalho e Silva considerou hoje em Coimbra que a educação em Portugal é "muito teórica", com demasiados exames, pouco flexível e com um sistema feito "à base do remendismo".

Em Portugal, "não há planos, nem há ideias. As medidas são tomadas de forma avulsa, sem que haja uma visão global das competências que um aluno deve ter no fim do ensino secundário", disse à agência Lusa Jaime Carvalho e Silva, coordenador do projeto de investigação "Comparação dos exames nacionais em Portugal com os de 12 outros países".

O docente da Universidade de Coimbra apontou para a necessidade de um trabalho de monitorização do sistema educativo, para que haja um plano coerente e reformas baseadas nesse acompanhamento, apontando como exemplo o caso de Singapura, país que será tema de debate no sábado, numa conferência do projeto, a ter lugar no Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra, às 10:00.

A Singapura, "que está nos primeiros lugares" nos programas internacionais de avaliação de alunos, tem um instituto independente do Ministério da Educação que monitoriza o sistema, levando a que, de seis em seis anos, os novos programas sejam feitos "com base nessa monitorização", explanou Jaime Carvalho e Silva.

"Aqui, todo o sistema educativo é à base do remendismo. É tudo feito à pressa, sem que haja um retrato do sistema, com dados dispersos e sem se saber o que aprendem efetivamente os alunos", criticou.

Apesar de o sistema singapurense "ter as suas falhas", está "centrado no aluno", os programas "são pouco teóricos" e é "muito mais flexivo e permeável" do que o português, permitindo ao aluno mudar de trajetória com facilidade, apontou.

Já em Portugal, "a utilidade é desprezada na educação", sendo esta "muito teórica" e centrada no professor, sublinhou.

Quanto à flexibilidade do sistema português, Jaime Carvalho e Silva também se mostra crítico, considerando que há muitos alunos a mudar de curso no 10.º ano e na universidade, sem que se encontre "uma maneira de se lidar com isso".

Para o coordenador do projeto, há "demasiados exames em Portugal" e, ao mesmo tempo, "são demasiados estreitos", centrados na matemática e português - "o que quer dizer que só interessam essas duas disciplinas".

O projeto de investigação, financiado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, começou em janeiro e termina em 2016, analisando os exames e sistemas educativos de Espanha, Irlanda, Canadá, Estados Unidos da América, Holanda, Alemanha, França, Noruega, Coreia do Sul, Singapura, Brasil e Austrália.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.