sicnot

Perfil

País

INEM lamenta que se queira criar mal-estar com corpos de bombeiros

O INEM lamentou hoje que se queira criar "mal-estar" entre esta instituição e os corpos de bombeiros, depois de a comissão de trabalhadores ter pedido esclarecimentos sobre o encerramento noturno de ambulâncias de emergência médica na região Centro.

A comissão de trabalhadores (CT) do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) pediu hoje esclarecimentos sobre o encerramento no período noturno do serviço de ambulâncias de emergência médica (AEM) em Viseu, na Covilhã e em Aveiro.

Numa carta enviada ao conselho diretivo do INEM, a comissão refere ter sabido que "a AEM Viseu 3 encerrou no período noturno e que as AEM Covilhã e AEM Aveiro vão encerrar nos períodos noturnos".

Em resposta, o INEM disse querer contrariar esta tentativa de criar mal-estar entre as partes e referiu que o Sistema integrado de emergência médica "é uma entidade em que todos contribuem, de forma solidária, e cada um na sua vertente, para o socorro e a emergência médica da população portuguesa".

"E lembramos, mais uma vez, que as ambulâncias AEM do INEM e as ambulâncias de socorro, constituídas como postos PEM [postos de emergência médica] dos bombeiros, desempenham funções semelhantes", indicou o instituto nacional.

A CT quer ainda saber se o conselho diretivo do INEM "vai ceder às pressões dos corpos de bombeiros e encerrar as AEM Aveiro e AEM Covilhã no período noturno (esta última cuja atuação está já limitada por indicações da diretora regional do Centro)".

O INEM diz ainda não estar em causa nenhum posto de trabalho e fala da intenção de aumentar em 85 o número de técnicos, já em setembro, e de ter já solicitado a abertura de concursos para mais 100.

Lusa

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.