sicnot

Perfil

País

Cinco checos desaparecidos no Líbano

Cinco cidadãos checos e o seu motorista libanês estão dados como desaparecidos desde sexta-feira à noite no Líbano, estando o caso a ser investigado pelas autoridades locais, noticiou hoje a Efe.

A agência noticiosa espanhola adianta que a Rádio Líbano noticiou hoje que os cinco checos desaparecidos são jornalistas.

Um porta-voz do governo da República Checa confirmou no sábado o desaparecimento dos cidadãos e do motorista libanês, escusando-se, contudo, a adiantar mais detalhes deste desaparecimento que, de acordo com a Efe, parece tratar-se de um sequestro.

A viatura em que viajavam os desaparecidos foi encontrada no sábado, perto de Kefraya, na região de Bekaa, no leste do Líbano.

De acordo com a polícia e forças de segurança libanesas, foram encontrados dentro do carro os passaportes, dinheiro e câmaras.

O jornal As Safir informou hoje que os desaparecidos foram raptados para troca por Ali Fayad, detido na República Checa por tráfico de armas.

Este não é primeiro caso de estrangeiros que desaparecem no Líbano. Em 2011, sete ciclistas da Estónia foram raptados no vale de Bekaa e libertados quatro meses depois.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.