sicnot

Perfil

País

Número de incêndios e área ardida acima da média dos últimos dez anos

O número de incêndios florestais e de área ardida (23.702) registados entre 1 de janeiro e 15 de julho estão acima da média dos últimos dez anos, segundo um relatório do Instituto da Conservação da Natureza.

Lusa

O relatório provisório de incêndios florestais disponível hoje na página da Internet do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) adianta que a base de dados nacional de incêndios florestais registou, entre 01 de janeiro e 15 de julho último, um total de 8.753 ocorrências (1.903 incêndios florestais e 6.850 fogachos) que resultaram em 23.702 hectares de área ardida, entre povoamentos (10.873 hectares) e matos (12.829 hectares).

O documento indica que, nos últimos dez anos, apenas em 2005 (56.835 hectares) e 2012 (37.715 hectares) houve mais área ardida.

"Comparando os valores do ano de 2015 com o histórico dos últimos dez anos (2005-2014), destaca-se que se registaram mais 12% de ocorrência relativamente à média verificada no decénio 2005-2014 e que ardeu mais 29% do que o valor médio de área ardida nesse período", refere o ICNF.

De acordo com o relatório provisório, até 15 de julho, há registo de 444 reacendimentos, mais 24 do que a média do período 2005-20014.

O ICNF indica também que os distritos do Porto (2.066) e de Braga (1.801) são os que registaram, até 15 de julho, mais ocorrências, sendo a maioria fogachos, ou seja, de reduzida dimensão, que não ultrapassam um hectare de área ardida.

Segundo o documento, os distritos mais afetados no que diz respeito à área ardida foram Viana do Castelo, Braga e Viseu, com 3.785 hectares, 2.779 e 2.729, respetivamente.

"Dadas as condições adversas, favoráveis à progressão de incêndios florestais, na primeira quinzena de julho a Autoridade Nacional de Proteção Civil decretou permanência em estado de alerta amarelo nos dias 08,09,14 e 15 de julho", adianta o ICNF.

O instituto salienta que, desde março deste ano, que o número de ocorrências mensais tem superado os valores médios do decénio anterior (2005-2014).

Nos primeiros quinze dias de julho, adianta o ICNF, registaram-se mais 10% de ocorrências relativamente à respetiva média do período 2005-2014.

"Apesar disso, o valor da área ardida até 15 de julho (4.853 hectares) é inferior, em quase 20%, ao valor médio decenal nesse mesmo período do mês de julho", refere o ICNF.

De acordo com o relatório provisório, até 15 de julho registaram-se 31 grandes incêndios, que queimaram 11.615 hectares de espaços florestais, ou seja 49% do total da área ardida.

O maior incêndio ocorreu a 07 de julho passado em São Pedro de Tomar, concelho de Tomar, distrito de Santarém, e consumiu cerca de 1.580 hectares de espaços florestais.

Lusa

  • Aldeias na Guarda rodeadas pelo fogo
    1:25

    País

    Duas aldeias da periferia da Guarda estiveram em sobressalto por causa de um incêndio que começou num pesado de mercadorias que circulava na A25. Apesar da intervenção dos meios aéreos as chamas aproximaram-se das povoações.

  • Controlado incêndio na Covilhã
    2:35

    País

    Só de madrugada foram controlados os dois incêndios de ontem, no interior centro do país. Perto da Covilhã duas casas de apoio agrícola ficaram destruídas e alguns hectares de pinheiro arderam. Os bombeiros queixam-se de falta de aceiros para aceder à zona do fogo, que continua ativo em duas frentes.

  • Autocarro com seguranças atacado em Braga
    0:42

    Desporto

    Dois autocarros que transportavam elementos de uma empresa de segurança foram atingidos por tiros e pedras depois do jogo entre o Sporting de Braga e o Vitória de Guimarães. O ataque deu-se a poucos quilómetros do Estádio Municipal de Braga. A PSP e a PJ estiveram no local a recolher provas.