sicnot

Perfil

País

Paulo Borges, antigo presidente do PAN, anuncia intenção de ser candidato presidencial

O fundador e antigo presidente do PAN (partido Pessoas-Animais-Natureza) anunciou esta segunda-feira a intenção de se candidatar à Presidência da República, sob o desígnio de um movimento alternativo e apartidário mas que não rejeitará apoios.

Com uma candidatura sob o desígnio "Outro Portugal existe", Paulo Borges pretende "um Portugal alternativo, de pessoas que não ficam à espera que a política e a economia resolva tudo mas se organizam para fazer acontecer aquilo em que acreditam", um Portugal "marginal ao Portugal institucional". (Arquivo)

Com uma candidatura sob o desígnio "Outro Portugal existe", Paulo Borges pretende "um Portugal alternativo, de pessoas que não ficam à espera que a política e a economia resolva tudo mas se organizam para fazer acontecer aquilo em que acreditam", um Portugal "marginal ao Portugal institucional". (Arquivo)

SIC

"Eu não rejeitarei qualquer apoio que surja mas o meu objetivo é despertar a sociedade civil para um movimento rigorosamente apartidário", respondeu Paulo Borges à Lusa, quando questionado se espera apoios partidários ou de outro tipo, acrescentando que não faz "o jogo habitual da política convencional, que é lutar pelo poder".

Com uma candidatura sob o desígnio "Outro Portugal existe", Paulo Borges pretende "um Portugal alternativo, de pessoas que não ficam à espera que a política e a economia resolva tudo mas se organizam para fazer acontecer aquilo em que acreditam", um Portugal "marginal ao Portugal institucional".

"É uma candidatura com uma dimensão fortemente libertária, que visa estimular a sociedade para a importância de valores como o da autogestão, da descentralização governativa, das comunidades locais e regionais se organizarem para viverem já de uma forma mais ética, mais saudável, mais autossustentável, e o que eu proponho é um novo desígnio para Portugal", vincou o candidato em declarações à agência Lusa.

Paulo Borges quer que "Portugal contribua para uma mudança da civilização, para uma outra relação com a terra e com todos os seres vivos", sendo este, na opinião do candidato, o "desafio maior em termos de civilização e em termos históricos.

Da experiência política enquanto fundador e presidente do PAN até 2014, Paulo Borges declarou que acabou por se demitir "completamente desiludido com a falta de ética e os conflitos constantes pela luta pelo poder dentro do partido".

Dentro das propostas do movimento "Outro Portugal existe", Paulo Borges destaca "a consagração na Constituição dos direitos intrínsecos da natureza e de todos os seres vivos", o lançamento de um debate nacional sobre "este novo mito coletivo do crescimento económico a todo o custo", assumindo a "importância de transitar de uma economia de mercado para uma economia de recursos, baseada na capacidade das comunidades serem, o mais possível, autossustentáveis em termos alimentares e energéticos".

"A Europa está a desagregar-se", defendeu Paulo Borges, acrescentando que a "sobrevivência das comunidades locais, regionais e mesmo do país passa muito por conseguir criar alternativas autossubsistentes, resilientes, fora dos mecanismos da economia mundial".

Quanto ao facto de não ter promovido a apresentação da candidatura à Presidência da República através de um evento, Paulo Borges justificou que "este momento é um momento em que, por ventura, não seria o mais adequado a ter uma forte adesão pública para um evento" e não quis "perder mais tempo", por isso remete um "lançamento formal" para setembro ou outubro, ressalvando não estar dependente das eleições legislativas.

"A lógica desta candidatura e deste movimento é uma lógica, digamos, marginal às eleições legislativas, portanto não estamos dependentes disso, queremos lançar um movimento transpartidário, suprapartidário e não estamos de modo algum condicionados pela data das legislativas ou pelos seus resultados", sublinhou Paulo Borges.

Até lá, o candidato afirmou que vai fazer a recolha de assinaturas, pelo menos as 7500 necessárias para a oficialização da candidatura à Presidência da República pelo Tribunal Constitucional.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.