sicnot

Perfil

País

Paulo Borges, antigo presidente do PAN, anuncia intenção de ser candidato presidencial

O fundador e antigo presidente do PAN (partido Pessoas-Animais-Natureza) anunciou esta segunda-feira a intenção de se candidatar à Presidência da República, sob o desígnio de um movimento alternativo e apartidário mas que não rejeitará apoios.

Com uma candidatura sob o desígnio "Outro Portugal existe", Paulo Borges pretende "um Portugal alternativo, de pessoas que não ficam à espera que a política e a economia resolva tudo mas se organizam para fazer acontecer aquilo em que acreditam", um Portugal "marginal ao Portugal institucional". (Arquivo)

Com uma candidatura sob o desígnio "Outro Portugal existe", Paulo Borges pretende "um Portugal alternativo, de pessoas que não ficam à espera que a política e a economia resolva tudo mas se organizam para fazer acontecer aquilo em que acreditam", um Portugal "marginal ao Portugal institucional". (Arquivo)

SIC

"Eu não rejeitarei qualquer apoio que surja mas o meu objetivo é despertar a sociedade civil para um movimento rigorosamente apartidário", respondeu Paulo Borges à Lusa, quando questionado se espera apoios partidários ou de outro tipo, acrescentando que não faz "o jogo habitual da política convencional, que é lutar pelo poder".

Com uma candidatura sob o desígnio "Outro Portugal existe", Paulo Borges pretende "um Portugal alternativo, de pessoas que não ficam à espera que a política e a economia resolva tudo mas se organizam para fazer acontecer aquilo em que acreditam", um Portugal "marginal ao Portugal institucional".

"É uma candidatura com uma dimensão fortemente libertária, que visa estimular a sociedade para a importância de valores como o da autogestão, da descentralização governativa, das comunidades locais e regionais se organizarem para viverem já de uma forma mais ética, mais saudável, mais autossustentável, e o que eu proponho é um novo desígnio para Portugal", vincou o candidato em declarações à agência Lusa.

Paulo Borges quer que "Portugal contribua para uma mudança da civilização, para uma outra relação com a terra e com todos os seres vivos", sendo este, na opinião do candidato, o "desafio maior em termos de civilização e em termos históricos.

Da experiência política enquanto fundador e presidente do PAN até 2014, Paulo Borges declarou que acabou por se demitir "completamente desiludido com a falta de ética e os conflitos constantes pela luta pelo poder dentro do partido".

Dentro das propostas do movimento "Outro Portugal existe", Paulo Borges destaca "a consagração na Constituição dos direitos intrínsecos da natureza e de todos os seres vivos", o lançamento de um debate nacional sobre "este novo mito coletivo do crescimento económico a todo o custo", assumindo a "importância de transitar de uma economia de mercado para uma economia de recursos, baseada na capacidade das comunidades serem, o mais possível, autossustentáveis em termos alimentares e energéticos".

"A Europa está a desagregar-se", defendeu Paulo Borges, acrescentando que a "sobrevivência das comunidades locais, regionais e mesmo do país passa muito por conseguir criar alternativas autossubsistentes, resilientes, fora dos mecanismos da economia mundial".

Quanto ao facto de não ter promovido a apresentação da candidatura à Presidência da República através de um evento, Paulo Borges justificou que "este momento é um momento em que, por ventura, não seria o mais adequado a ter uma forte adesão pública para um evento" e não quis "perder mais tempo", por isso remete um "lançamento formal" para setembro ou outubro, ressalvando não estar dependente das eleições legislativas.

"A lógica desta candidatura e deste movimento é uma lógica, digamos, marginal às eleições legislativas, portanto não estamos dependentes disso, queremos lançar um movimento transpartidário, suprapartidário e não estamos de modo algum condicionados pela data das legislativas ou pelos seus resultados", sublinhou Paulo Borges.

Até lá, o candidato afirmou que vai fazer a recolha de assinaturas, pelo menos as 7500 necessárias para a oficialização da candidatura à Presidência da República pelo Tribunal Constitucional.

Lusa

  • Isto não é não jornalismo. Por Ricardo Costa

    Opinião

    Uma das decisões mais banais e corriqueiras do jornalismo assenta nas escolhas que se fazem no dia a dia. Que temas se abordam, que destaque se dá a este ou aquele assunto, que ângulos de abordagem se usam. São opções condicionadas por uma série de fatores - que vão do interesse e da novidade até questões tão básicas como o haver ou não jornalistas com tempo, meios e conhecimentos para o fazerem -, que estão e estarão na base de qualquer dia de trabalho numa redação.

    Ricardo Costa

  • "Não há nenhuma meta com Bruxelas", garante Centeno no Parlamento
    0:57

    Economia

    O ministro das Finanças afirma que o Programa de Estabilidade é debatido em Lisboa e não em Bruxelas.Esta manhã, no Parlamento, Mário Centeno assegurou ainda que as metas são as mesmas com que se comprometeu no programa do Governo e garante que não há nenhuma meta acordada com Bruxelas.