sicnot

Perfil

País

Paulo Borges, antigo presidente do PAN, anuncia intenção de ser candidato presidencial

O fundador e antigo presidente do PAN (partido Pessoas-Animais-Natureza) anunciou esta segunda-feira a intenção de se candidatar à Presidência da República, sob o desígnio de um movimento alternativo e apartidário mas que não rejeitará apoios.

Com uma candidatura sob o desígnio "Outro Portugal existe", Paulo Borges pretende "um Portugal alternativo, de pessoas que não ficam à espera que a política e a economia resolva tudo mas se organizam para fazer acontecer aquilo em que acreditam", um Portugal "marginal ao Portugal institucional". (Arquivo)

Com uma candidatura sob o desígnio "Outro Portugal existe", Paulo Borges pretende "um Portugal alternativo, de pessoas que não ficam à espera que a política e a economia resolva tudo mas se organizam para fazer acontecer aquilo em que acreditam", um Portugal "marginal ao Portugal institucional". (Arquivo)

SIC

"Eu não rejeitarei qualquer apoio que surja mas o meu objetivo é despertar a sociedade civil para um movimento rigorosamente apartidário", respondeu Paulo Borges à Lusa, quando questionado se espera apoios partidários ou de outro tipo, acrescentando que não faz "o jogo habitual da política convencional, que é lutar pelo poder".

Com uma candidatura sob o desígnio "Outro Portugal existe", Paulo Borges pretende "um Portugal alternativo, de pessoas que não ficam à espera que a política e a economia resolva tudo mas se organizam para fazer acontecer aquilo em que acreditam", um Portugal "marginal ao Portugal institucional".

"É uma candidatura com uma dimensão fortemente libertária, que visa estimular a sociedade para a importância de valores como o da autogestão, da descentralização governativa, das comunidades locais e regionais se organizarem para viverem já de uma forma mais ética, mais saudável, mais autossustentável, e o que eu proponho é um novo desígnio para Portugal", vincou o candidato em declarações à agência Lusa.

Paulo Borges quer que "Portugal contribua para uma mudança da civilização, para uma outra relação com a terra e com todos os seres vivos", sendo este, na opinião do candidato, o "desafio maior em termos de civilização e em termos históricos.

Da experiência política enquanto fundador e presidente do PAN até 2014, Paulo Borges declarou que acabou por se demitir "completamente desiludido com a falta de ética e os conflitos constantes pela luta pelo poder dentro do partido".

Dentro das propostas do movimento "Outro Portugal existe", Paulo Borges destaca "a consagração na Constituição dos direitos intrínsecos da natureza e de todos os seres vivos", o lançamento de um debate nacional sobre "este novo mito coletivo do crescimento económico a todo o custo", assumindo a "importância de transitar de uma economia de mercado para uma economia de recursos, baseada na capacidade das comunidades serem, o mais possível, autossustentáveis em termos alimentares e energéticos".

"A Europa está a desagregar-se", defendeu Paulo Borges, acrescentando que a "sobrevivência das comunidades locais, regionais e mesmo do país passa muito por conseguir criar alternativas autossubsistentes, resilientes, fora dos mecanismos da economia mundial".

Quanto ao facto de não ter promovido a apresentação da candidatura à Presidência da República através de um evento, Paulo Borges justificou que "este momento é um momento em que, por ventura, não seria o mais adequado a ter uma forte adesão pública para um evento" e não quis "perder mais tempo", por isso remete um "lançamento formal" para setembro ou outubro, ressalvando não estar dependente das eleições legislativas.

"A lógica desta candidatura e deste movimento é uma lógica, digamos, marginal às eleições legislativas, portanto não estamos dependentes disso, queremos lançar um movimento transpartidário, suprapartidário e não estamos de modo algum condicionados pela data das legislativas ou pelos seus resultados", sublinhou Paulo Borges.

Até lá, o candidato afirmou que vai fazer a recolha de assinaturas, pelo menos as 7500 necessárias para a oficialização da candidatura à Presidência da República pelo Tribunal Constitucional.

Lusa

  • Morreu o vocalista da banda Linkin Park

    Cultura

    Um dos vocalistas da banda de metal alternativo Linkin Park, Chester Bennington, morreu, em casa, numa cidade do condado de Los Angeles, aos 41 anos. Chester Bennington ter-se-á suicidado, de acordo com a plataforma TMZ. O músico juntou-se aos Linkin Park em 1999, três anos após a formação da banda, que editou o seu álbum de estreia, "Hybrid Theory", em 2000. O disco, do qual fazem parte temas como "In the End", "Crawling" e "One Step Closer", vendeu dez milhões de cópias só nos Estados Unidos.

  • O perfil do novo herói do surf português
    3:43
  • "Temos de melhorar o sistema de prevenção e combate dos incêndios"
    18:07

    País

    O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias, desta quinta-feira. Em análise esteve o chumbo do PCP na criação de um banco nacional de terras, a reforma da floresta em Portugal, as falhas no sistema de comunicação do SIRESP, a lei da rolha nos bombeiros, a seca no país e ainda a pesca da sardinha, que poderá vir a ser proibida durante 15 anos. 

    Entrevista SIC Notícias

  • CGTP acusa PT de ilegalidades no dia da greve
    0:46

    Economia

    A CGTP pede a intervenção do Governo na PT. Esta quinta-feira, na SIC Notícias, Arménio Carlos acusou a empresa de estar a cometer mais uma ilegalidade, ao ter requisitado trabalhadores para cumprir serviços mínimos uma semana antes do permitido por lei.

  • Altice responde a António Costa
    1:33

    Economia

    A Altice respondeu ao Governo, na sequência das críticas de António Costa, lamentando que Portugal não reconheça a importância dos investimentos que o grupo faz no país. A dona da PT inaugurou esta quinta-feira um novo call center em Vieira do Minho e, na sexta-feira, está marcada uma greve geral dos trabalhadores da PT.

  • Protesto dos enfermeiros é "ilegal"
    2:37
  • O que resta do navio de salvamento mais famoso de Portugal?
    15:26

    Aqui há História

    Os baixios da barra do Tejo já foram cemitério de centenas de embarcações. Uma delas foi o Patrão Lopes, o navio de salvamento que saía para o mar quando todos fugiam das tempestades. Foram cinco dias em agonia até naufragar no Bugio, num caso que acabou na barra do tribunal. 80 anos depois, a SIC mergulhou no Patrão Lopes porque "Aqui Há História".

  • Sismo de magnitude 6.9 na Turquia

    Mundo

    Um forte sismo com magnitude 6.9 na escala de Richter fez-se sentir esta quinta-feira a sul da cidade turca de Bodrum. A informação foi avançada pela agência norte-americana de Geologia.