sicnot

Perfil

País

Rastreios gratuitos a cancro de cabeça e pescoço em doze hospitais

Doze hospitais portugueses, públicos e privados, vão realizar na próxima semana rastreios gratuitos ao cancro da cabeça e do pescoço, uma doença que em Portugal mata três pessoas por dia.

Os rastreios vão decorrer durante a manhã da próxima segunda-feira e são uma forma de assinalar o primeiro Dia Mundial do Cancro da Cabeça e Pescoço, segundo o Grupo de Estudos deste tipo de cancro que ajuda a dinamizar a iniciativa. (Arquivo)

Os rastreios vão decorrer durante a manhã da próxima segunda-feira e são uma forma de assinalar o primeiro Dia Mundial do Cancro da Cabeça e Pescoço, segundo o Grupo de Estudos deste tipo de cancro que ajuda a dinamizar a iniciativa. (Arquivo)

Francisco Seco / AP

Os rastreios vão decorrer durante a manhã da próxima segunda-feira e são uma forma de assinalar o primeiro Dia Mundial do Cancro da Cabeça e Pescoço, segundo o Grupo de Estudos deste tipo de cancro que ajuda a dinamizar a iniciativa.

Numa fase inicial da doença, o tratamento destes cancros tem uma taxa de sucesso de 80 a 80 por cento, daí que o rastreio seja considerado fundamental, sobretudo para pessoas com hábitos tabágicos ou de consumo excessivo de álcool.

Em Portugal, os cancros da cabeça e pescoço são a quarta doença com maior incidência nos homens quando se agrupam as diferentes localizações dos tumores (laringe, faringe, cavidade oral e nasofaringe).

Anualmente há cerca de 2.500 novos casos da doença em Portugal e cerca de 85% das vítimas são fumadores ou ex-fumadores.

AS unidades onde se realizarão rastreios gratuitos à população, sujeitos a inscrição prévia, são: Hospital Beatriz Ângelo (Loures), Instituto Português de Oncologia do Porto, Hospital de Santo António, Hospital de São João, Hospital de Santa Maria, Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia -- Espinho, Clínica Quadrantes de Miraflores (Oeiras), Hospital da Luz (Lisboa) e nas CUF de Porto Hospital, Porto Instituto, das Descobertas (Lisboa) e Infante Santo (Lisboa).

Lusa

  • Cancro da cabeça e do pescoço em análise
    6:52

    Edição da Manhã

    Surgem anualmente entre 2500 a 3000 novos casos de cancro da cabeça e do pescoço, uma doença que afeta normalmente pessoas com mais de 40 anos, mas que tem vindo a atingir cada vaz mais os mais jovens. Na semana europeia dedicada à doença, esteve esta manhã connosco Joge Rosa Santos, Presidente do Grupo de Estudos do Cancro de Cabeça e Pescoço e diretor do serviço deste tipo de tumor do IPO.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".