sicnot

Perfil

País

GNR fez 45 detenções este ano em ações de vigilância das zonas florestais

A GNR efetuou 45 detenções desde o início do ano em ações de patrulhamento e vigilância das zonas florestais, registando mais 26 detidos do que em igual período de 2014, informou esta quarta-feira a GNR.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Os dados, recolhidos entre 1 de janeiro e 19 de julho, indicam ainda que 607 pessoas foram identificadas (mais 300 do que em 2014) e o número de ocorrências de incêndio foi de 11.868 (mais 6.953 do que no ano anterior).

O dispositivo da GNR instaurou 749 autos de contraordenação (menos 106 do que em 2014) por infração ao diploma de 2006 relativo ao Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios.

As ações de primeira intervenção nos incêndios florestais encontram-se a cargo dos 574 militares do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS).

Quanto às ações de vigilância e do patrulhamento das áreas florestais e investigação das causas dos incêndios, estas estão a ser desempenhadas por 948 militares e civis do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA).

Lusa

  • Casa Branca isolada devido a pacote suspeito

    Mundo

    A Casa Branca foi esta terça-feira isolada devido à presença de um pacote suspeito junto a uma das vedações que limitam o edifício governamental norte-americano. A situação já foi normalizada e o objeto retirado do local.

  • Inspetores do SEF cansados das promessas do Governo
    1:00

    País

    O sindicato do SEF garante que a segurança contra o terrorismo vai ser assegurada na greve de quinta-feira e sexta-feira nos aeroportos. Acácio Pereira, do sindicato, diz que os inspetores são quase escravos e que estão fartos das promessas do Governo. A greve deverá afetar cerca de 30 mil pessoas. 

  • Graça Fonseca, a primeira governante a assumir-se homossexual
    1:02

    País

    A secretária de Estado da Modernização Administrativa deu uma entrevista ao Diário de Notícias onde assume a sua homossexualidade. É a primeira vez que um governante português o faz. Graça Fonseca assume esta posição pública como uma "afirmação política".