sicnot

Perfil

País

GNR fez 45 detenções este ano em ações de vigilância das zonas florestais

A GNR efetuou 45 detenções desde o início do ano em ações de patrulhamento e vigilância das zonas florestais, registando mais 26 detidos do que em igual período de 2014, informou esta quarta-feira a GNR.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Os dados, recolhidos entre 1 de janeiro e 19 de julho, indicam ainda que 607 pessoas foram identificadas (mais 300 do que em 2014) e o número de ocorrências de incêndio foi de 11.868 (mais 6.953 do que no ano anterior).

O dispositivo da GNR instaurou 749 autos de contraordenação (menos 106 do que em 2014) por infração ao diploma de 2006 relativo ao Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios.

As ações de primeira intervenção nos incêndios florestais encontram-se a cargo dos 574 militares do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS).

Quanto às ações de vigilância e do patrulhamento das áreas florestais e investigação das causas dos incêndios, estas estão a ser desempenhadas por 948 militares e civis do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA).

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras