sicnot

Perfil

País

Guardas-Noturnos dizem que novo regime jurídico beneficia segurança privada

A Associação Sócio-Profissional dos Guardas-Nocturnos (ASPGN) disse hoje que o novo regime jurídico da atividade, que será hoje aprovado na Assembleia da República, pretende acabar com esta profissão e tem como objetivo dar lugar aos seguranças privados.

ANT\303\223NIO COTRIM

Cerca de duas dezenas de profissionais estão hoje em vigília frente à Assembleia da República, como forma de protesto contra o projeto de lei do PSD-CDS/PP que o Parlamento se prepara para aprovar e que estabelece o regime jurídico da atividade de guarda-noturno.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da ASPGN disse mesmo que o sentimento entre estes profissionais é de que "se está a atender a favores talvez da segurança privada".

"O sentimento que nós temos é que houve um dia um deputado que acordou e que se lembrou, contra tudo e contra todos, de apresentar uma proposta que é contra todos os interessados", apontou Carlos Tendeiro, dando como o exemplo o facto de a Associação Nacional de Municípios, que representa as autarquias, já que são elas que passam as licenças aos guardas-noturnos, ter emitido um parecer contra esta alteração legislativa.

Na opinião do responsável, este novo regime jurídico tem apenas um objetivo, o de acabar com a atividade de guarda-noturno, a médio e longo prazo, e colocar a segurança privada "na rua".

"Eu acho é que é preocupante porque se temos o problema que temos nas discotecas e nos bares, com as máfias da noite, não queremos isso certamente nos nossos bairros", acrescentou.

Carlos Tendeiro defendeu que este projeto-lei visa "a morte da profissão", razão pela qual aproveitaram a vigília para fazer o luto, trazendo um caixão e uma coroa de flores, juntamente com uma faixa onde podia ler-se, entre outras frases, "Não damos despesa", "Criamos emprego" ou "Só queremos trabalhar".

Os guardas-noturnos criticam o facto de não terem sido ouvidos no decorrer do processo legislativo, uma vez que se trata de uma legislação laboral, e lembram que em causa estão 300 postos de trabalho.

A título de exemplo, das várias alterações que este projeto-lei pretende introduzir, Carlos Tendeiro apontou o regime contraordenacional, que "cria barreiras claras ao desenvolvimento" da atividade.

"Se um guarda-noturno entrar ou sair tarde do serviço está sujeito a levar uma coima de 150 euros e ver a licença de trabalho suspensa por um período até dois anos. Se o guarda-noturno entrar ao serviço com uma peça de uniforme não aprovada está sujeito a levar 300 euros de coima", apontou.

De acordo com o responsável, no projeto de lei não está assegurado que os guardas-noturnos possam andar armados, usar cassetete ou algemas.

Por outro lado, a ASPGN entende que todo o processo de criação e aprovação do novo regime jurídico decorreu com várias irregularidades, dado que o projeto-lei, segundo a associação, não foi discutido na comissão parlamentar competente.

A deputada Mariana Aiveca, do Bloco de Esquerda, foi ao local demonstrar que o partido está solidário com as pretensões dos guardas-noturnos e deixar a garantia de que farão tudo o que for possível relativamente a uma intervenção do Tribunal Constitucional.

Lusa

  • Tudo isto circula na internet. Nada disto é verdade
    3:12
  • Peso dos salários na economia diminuiu
    2:34

    Economia

    Portugal é dos países onde o peso dos salários na economia mais diminuiu. Ou seja, os salários portugueses foram dos mais encolheram com a crise. A conclusão é da Organização Internacional do Trabalho que sublinha as implicações negativas ao nível social e económico.

  • Presidente do Montepio tranquiliza clientes do banco
    1:58

    Economia

    O presidente do Montepio garante que os clientes do banco podem estar seguros e reafirma que a instituição não tem qualquer exposição à Associação Mutualista. No programa da SIC Notícias Negócios da Semana, José Félix Morgado assumiu que é preciso separar ainda mais as duas instituições.

  • Inaugurado Ikea de Loulé
    3:51

    Economia

    Centenas de pessoas aguardavam à porta do Ikea de Loulé para a inauguração da nova loja no Algarve, uma semana depois do acidente que matou uma trabalhadora. A cerimónia decorreu de forma sóbria, ainda que com alguma pompa e circunstância.

  • Descoberta nova espécie de tiranossauro

    Mundo

    Uma nova espécie de dinossauros predadores, um tiranossauro com uma forma incomum de evolução, foi descoberta por uma equipa internacional de cientistas, segundo um artigo científico hoje publicado pela revista Nature.