sicnot

Perfil

País

Presidente do Governo da Madeira já teve alta hospitalar

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, que foi esta quarta-feira submetido a uma intervenção cirúrgica no hospital do Funchal, já teve alta hospitalar e regressou à sua residência, informou o seu gabinete.

(Arquivo)

(Arquivo)

Lusa

A mesma nota emitida esta tarde pelo gabinete da Presidência do Governo Regional da Madeira, refere que o chefe do executivo madeirense foi operado hoje de manhã "com carácter de urgência, para eliminação de um cálculo renal, tendo o pós-operatório decorrido sem qualquer intercorrência".

"Neste momento, e após alta hospitalar, encontra-se já na sua residência onde irá manter-se em repouso nas próximas 48 horas", conclui a mesma informação.

O boletim clínico divulgado pelo Serviço Regional de Saúde mencionou que Miguel Albuquerque foi operado pelas 08:00 de hoje, no hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal "devido a uma cólica renal com cálculo impactado no ureter lombar direito", tendo a intervenção cirúrgica decorrido "sem incidentes".

Esta situação aconteceu cinco dias antes da festa anual do PSD/Madeira, que está marcada para domingo, e que deverá contar com a presença do líder nacional do partido e primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.

Lusa

  • Miguel Albuquerque operado com sucesso
    0:41

    País

    O presidente do Governo Regional da Madeira foi operado de urgência esta manhã, no Hospital do Funchal, mas está a reagir bem. Miguel Albuquerque foi submetido a uma intervenção cirúrgica para remover um cálculo renal. A cirurgia foi um sucesso, adiantou o diretor clínico do hospital, João Rodrigues.

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira, no Jornal da Noite, para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo". O diretor conta que a unidade esteve em contacto com as autoridades em Espanha, não só durante os ataques, como também depois, e disse que os atacantes não estarão a caminho da fronteira com Portugal.