sicnot

Perfil

País

Sindicato da Polícia abandona reunião com o Ministério da Administração Interna

O Sindicato Nacional da Polícia (SINAPOL) abandonou hoje a reunião com o Ministério da Administração Interna (MAI), onde se negociava o estatuto profissional da Polícia de Segurança Pública (PSP), por não lhes ter sido entregue a versão mais recente do documento.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

O presidente do SINAPOL referiu, em declarações à agência Lusa, que o sindicato abandonou a reunião com a ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, vinte minutos após o seu início, pelo facto de a governante se recusar a entregar a versão que já contém as alterações à proposta inicial de estatuto profissional da PSP.

Armando Ferreira disse que soube, através de outros sindicatos que já reuniram com o MAI, que já foram feitas grandes alterações ao projeto de estatuto apresentado há dois meses e admitiu que o SINAPOL "não se vai debruçar sobre um documento caduco".

Quando questionado sobre a origem destas alterações, o presidente não soube atribuir a sua autoria, referindo que estão "a negociar no escuro" e "de ânimo leve" um estatuto "tão importante para a vida dos polícias nos próximos tempos".

O sindicalista informou ainda que, quando foi convocado para a reunião, o SINAPOL enviou um ofício à ministra a pedir uma versão atualizada ao documento, versão essa que o MAI não enviou entretanto, nem entregou quando solicitada durante a reunião.

O sindicato vai, neste sentido, "disputar, pela via legal, a salvaguarda deste estatuto", além de pretender enviar uma carta ao primeiro-ministro a relatar o modo como o MAI está a conduzir as negociações, pedindo uma intervenção ao governante.

"Estamos em fase de poder vir a argumentar juridicamente para defender os interesses dos polícias, já que o MAI não o faz", acrescentou Armando Ferreira.

Apesar disso, o SINAPOL diz-se "aberto ao diálogo" com MAI, tendo abdicado do pressuposto legal que obriga a uma convocatória que anteceda em oito dias a reunião entre o ministério e o sindicato.

A Lusa contactou o MAI para obter um comentário sobre esta matéria, mas não foi possível recolhê-lo até ao momento.

Lusa

  • "Não partilhei SMS com ninguém"
    0:43

    Caso CGD

    António Domingues afirma que nunca revelou o conteúdo das mensagens trocadas com o ministro das Finanças sobre a entrega das declarações de património ao Tribunal Constitucional. O tema dos SMS foi abordado pelo ex-presidente da Caixa na sequência de uma pergunta do PCP sobre declarações feitas por António lobo Xavier no programa da SIC Notícias "Quadratura do Círculo".

  • "As regras europeias de bem estar animal são dogmas", diz diretor-geral de Veterinária
    1:32

    País

    O diretor-geral de Alimentação e Veterinária considera que as regras de bem estar animal que existem na União Europeia (UE) "parecem configurar uma transfiguração antropomórfica dos animais". Em declarações à SIC, a propósito da exportação de animais vivos para países terceiros, que têm outras regras de abate, Fernando Bernardo defendeu ainda que o método usado em Israel provoca uma insensibilização mais rápida do que o praticada na UE.

  • PAN questiona Governo sobre aposta na exportação de animais vivos para o Médio Oriente
    1:56

    País

    O partido Pessoas-Animais-Natureza lembra que à luz do Regulamento nº. 1/2005 do Conselho Europeu, os estados-membros da União Europeia (UE) devem evitar transportar animais vivos em viagens de longo curso. O deputado André Silva considera, por isso, que "o Estado português está a incumprir o regulamento" ao fomentar estas viagens, numa clara aposta económica em torno da exportação de animais vivos para Israel e outros destinos fora da UE. Para o deputado do PAN, é muito difícil ou "mesmo impossível assegurar o bem estar dos animais" em viagens de vários dias.

  • Trump pensou que presidência "seria mais fácil"

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos Donald Trump afirmou que a Presidência é mais difícil do que pensava e que tem saudades da vida que levava antes, em entrevistas a propósito dos primeiros 100 dias em funções.