sicnot

Perfil

País

IKEA não vai retirar do mercado móveis da gama Malm

A empresa sueca IKEA esclareceu hoje que os móveis da gama Malm não estão a ser retirados do mercado, ao contrário do que tem sido noticiado, explicando que em causa está uma campanha de sensibilização a decorrer nos Estados Unidos.

IKEA

Maria João Franco, responsável do departamento de comunicação da empresa IKEA Portugal, reagia assim a notícias sobre a retirada dos móveis da gama 'Malm' na sequência da morte de duas crianças, nos EUA, afirmando que esta foi confundida com uma ação de sensibilização de segurança levada a cabo pela empresa nos Estados Unidos, que vai oferecer aos consumidores norte-americanos um 'kit' para fixar os móveis na parede.

A representante afirmou, ainda, que a IKEA recomenda que todos os móveis devem ser fixos à parede - "o que não acontece nos Estados Unidos" - e que até a própria transportadora que trabalha com a marca o faz, quando realiza serviços de entrega e montagem ao domicílio.

Maria João Franco lembrou também que, em Portugal, estes 'kits' estão disponíveis gratuitamente nas lojas.

A ação de sensibilização norte-americana foi criada em parceria com a Comissão de Segurança dos Produtos de Consumo (CPSC), que referiu hoje à agência francesa de notícias que estes 'kits' são aplicáveis em alguns móveis - entre cómodas e roupeiros - da gama 'Malm', ação que abrange, de momento, cerca de 27 milhões de produtos já vendidos.

A CPSC acrescentou ainda que a empresa IKEA recebeu queixas relativamente à morte de duas crianças com cerca de dois anos de idade, em 2014, provocada pela queda de cómodas suecas que não estavam presas à parede.

"Os consumidores não devem usar as cómodas e roupeiros infantis e para adultos do Ikea com altura superior a 60 e 75 centímetros, respetivamente, a não ser que estejam fixados a uma parede", recomendou a CPSC.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57