sicnot

Perfil

País

Sindicato não apresenta proposta para debater novo estatuto da PSP, acusa o MAI

O Ministério da Administração Interna acusou hoje o Sindicato Nacional da Polícia (SINAPOL) de não ter apresentado propostas "para análise e discussão" do novo estatuto profissional da PSP e de não ter aceitado assinar um memorando de entendimento.

(Lusa/ Arquivo)

(Lusa/ Arquivo)

LUSA

Em comunicado enviado à agência Lusa, o Ministério da Administração Interna (MAI) revela que, desde o início do processo negocial, sempre mostrou abertura para receber, analisar e discutir todas as propostas que qualquer sindicato pudesse apresentar, individual e coletivamente, mas releva que na reunião agendada com o SINAPOL para o efeito este sindicato "não apresentou qualquer proposta, nem por escrito, nem oralmente".

Explica o ministério no mesmo comunicado que aquela estrutura sindical apenas apresentou uma reclamação sobre "um pretenso documento que, alegadamente, teria sido distribuído a outros sindicatos, contendo 'nova proposta do MAI'", proposta essa que nunca existiu, garante o Governo, revelando que apenas entregou a todos os sindicatos o mesmo documento inicial.

No final das negociações individuais, revela o MAI que subscreveu com vários sindicatos um memorando de entendimento onde se considera que o conjunto das soluções a que foi possível chegar é considerado "globalmente positivo".

Esse conjunto de soluções, adianta o comunicado, foi passado a escrito como parte integrante do memorando de entendimento que foi assinado com cada um dos sindicatos com quem chegou a acordo, sendo o SINAPOL um dos que não aceitou subscrever a proposta.

"Assim sendo, não havendo propostas a discutir, nem acordo sobre o Estatuto do Pessoal com Funções Policiais da Polícia de Segurança Pública (PSP), a senhora ministra da Administração Interna deu por finda a reunião e a negociação suplementar com o SINAPOL", sublinha o comunicado.

Segundo o mesmo documento, o MAI irá agora promover o processo legislativo com vista a que seja aprovado, "o mais rapidamente possível", o novo Estatuto que vá de encontro aos interesses da maioria do pessoal com Funções Policiais da Polícia de Segurança Pública.

Na quarta-feira, o SINAPOL abandonou a reunião com o MAI, onde se negociava o estatuto profissional da Polícia de Segurança Pública (PSP), por não lhes ter sido entregue a versão mais recente do documento.

O presidente do SINAPOL declarou à Lusa que o sindicato abandonou a reunião com a ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, vinte minutos após o seu início, pelo facto de a governante se recusar a entregar a versão que já contém as alterações à proposta inicial de estatuto profissional da PSP.

Armando Ferreira disse que soube, através de outros sindicatos que já reuniram com o MAI, que já foram feitas grandes alterações ao projeto de estatuto apresentado há dois meses, vincando que o SINAPOL "não se vai debruçar sobre um documento caduco".

Quando questionado sobre a origem destas alterações, o sindicalista não soube atribuir a sua autoria, referindo que estão "a negociar no escuro" e "de ânimo leve" um estatuto "tão importante para a vida dos polícias nos próximos tempos".

O sindicalista informou ainda que, quando foi convocado para a reunião, o SINAPOL enviou um ofício à ministra a pedir uma versão atualizada do documento, versão essa que o MAI não enviou entretanto, nem entregou quando solicitada durante a reunião.

O sindicato vai, neste sentido, "disputar, pela via legal, a salvaguarda deste estatuto", além de pretender enviar uma carta ao primeiro-ministro a relatar o modo como o MAI está a conduzir as negociações, pedindo uma intervenção ao governante.

Lusa

  • Meryl Streep mais uma vez candidata a um Óscar

    Óscares 2017

    Aos 67 anos, Meryl Streep soma mais uma nomeação para aqueles que são os prémios mais cobiçados de Hollywood. A atriz foi nomeada pela interpretação em "Florence, Uma Diva Fora de Tom". Esta é vigésima vez que a Academia reconhece o trabalho da atriz, que já levou o Óscar para casa três vezes.

    Miguel Domingos

  • Polanski recusa presidir aos "César" por caso de violação em 1977
    1:55

    Cultura

    Roman Polanski já não vai presidir à cerimónia dos prémios César, o equivalente aos Óscares em França. A decisão de se afastar foi tomada esta terça-feira pelo próprio cineasta, na sequência da polémica em que se viu envolvido assim que foi convidado. Em 1977, Polanski foi acusado de ter violado uma adolescente de 13 anos, na Califórnia, declarando-se culpado. O realizador foi agora pressionado por associações feministas, redes sociais e pela ministra francesa dos direitos das mulheres. O diretor do Festival de Cannes Thierry Fremaux diz que falou com o realizador e acha que não é necessário "adicionar mais problemas ao problema".

  • Marcelo quer fazer mais e melhor no segundo ano de mandato
    0:48
  • "Andem lá com isso!"
    0:42
  • "A Miss Helsínquia é a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza"

    Mundo

    Sephora Lindsay Ikabala venceu o concurso Miss Helsínquia 2017 e, desde então, tem vindo a ser insultada e criticada nas redes sociais. A nigeriana de 19 anos vive na cidade desde criança. "A Miss Helsínquia é literalmente a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza", é apenas um dos muitos comentários que circula nas redes sociais.