sicnot

Perfil

País

Mulher morreu no rio Mondego em Coimbra

Uma mulher com cerca de 25 a 30 anos de idade morreu hoje, aparentemente por afogamento, no rio Mondego, perto da estação de caminhos de ferro de Coimbra (Estação Nova), disse fonte dos bombeiros.

Google Maps

O alerta para a presença de um corpo no rio, junto à margem esquerda, foi dado pelas 14:50 mas os bombeiros e os meios do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), chamados ao local, fizeram buscas e "não encontraram nada", disse fonte da Companhia de Sapadores de Coimbra.

Os bombeiros acabariam por se dirigir à margem direita, onde já estava a PSP "e um corpo no rio, a boiar", que os mergulhadores dos Sapadores Bombeiros retiraram da água, tendo sido efetuadas manobras de reanimação, "durante cerca de 30 minutos", sem sucesso, adiantou.

O óbito acabaria por ser declarado no local mas a fonte afirmou desconhecer as causas do acidente.

"O cadáver não apresentava rigidez mas não sabemos há quanto tempo estava na água", declarou.

No local estiveram cinco homens e duas viaturas dos Bombeiros Sapadores, uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) e uma ambulância do INEM e a PSP, que tomou conta da ocorrência.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.