sicnot

Perfil

País

Ordem dos Nutricionistas alerta para aumento de falsos profissionais no verão

É no verão que os falsos nutricionistas mais atacam com "promessas milagrosas" de serviços e produtos, alertou hoje a bastonária da Ordem dos Nutricionistas, referindo que há uma média de oito a dez denúncias por mês de falsos profissionais.

reuters

À margem do lançamento da campanha nacional "Vamos pôr a nutrição na ordem", que decorreu hoje de manhã, no Porto, a bastonária da Ordem dos Nutricionistas avisou que o verão é a altura do ano mais indicada para lançar a campanha de sensibilização, porque "é quando os falsos profissionais mais promessas milagrosas fazem dos seus serviços e dos seus produtos".

"Temos de alertar, porque estão a atentar contra a saúde dos indivíduos e estão a atentar contra (...) o bom nome dos nutricionistas e dos dietistas", declarou à Lusa Alexandra Bento, preocupada com o facto de a Ordem ter registado, desde 2012, 152 denúncias de pessoas a exercerem a profissão de nutricionistas, sem habilitação legal.

Segundo a responsável, há uma média entre as oito e as dez denúncias por mês. A maioria das denúncias está relacionada com consultas 'online', prestadas por indivíduos sem habilitação legal, mas as clínicas de estética, ginásios e lojas de suplementos alimentares são dos locais onde "mais se exerce ilegalmente as profissões de nutricionais ou dietista".

Para Alexandra Bento, é "imenso" que exista uma média de dez denúncias por mês, porque "dez denúncias por mês é estar a falar de dez falsos profissionais que atenderão não sei quantos indivíduos de uma forma indevida", criticou, observando que o objetivo da campanha "Vamos pôr a nutrição na ordem" é alertar a população para que a profissão de nutricionista e dietista é "regulada" e que só pode ser desempenhada por quem está inscrito na Ordem dos Nutricionistas.

A maioria das denúncias está relacionada com consultas 'online' prestadas por indivíduos sem habilitação legal, mas as clínicas de estética, os ginásios e as lojas de suplementos alimentares são dos locais onde mais se exerce ilegalmente as profissões de nutricionais ou dietista.

Alexandra Bento recomenda à população para que não recorra aos serviços de "falsos profissionais", porque se está a falar de matéria "muito sensível, que é a saúde do indivíduo através da alimentação e da nutrição".

Para se saber quem são os profissionais, a Ordem dos Nutricionistas disponibiliza no seu sítio na Internet uma lista de todos os profissionais de Portugal. Exercer a função de nutricionista ou dietistas sem habilitação configura um crime de usurpação de funções, punível com prisão até dois anos ou multa até 240 dias.

A Ordem dos Nutricionistas afirma que a dimensão do "exercício ilegal será elevada e está a aumentar" e explica que, quando uma denúncia chega àquela Ordem, é aberto um processo de averiguação e caso a pessoa notificada não se inscreva na Ordem no prazo de 15 dias é enviado o processo para o Ministério Público.

A Ordem dos Nutricionistas já enviou oito casos para Ministério Público, disse a bastonária à Lusa.

A zona geográfica em que há mais denúncias é na Grande Lisboa.

O Grande Porto e a Grande Lisboa são também as regiões do país onde há mais membros inscritos na Ordem dos Nutricionistas. Em média entram cerca de 300 profissionais por ano para a Ordem dos Nutricionais.

Atualmente, a Ordem dos Nutricionistas têm cerca de 3.000 profissionais.

  • Dois jovens atropelados mortalmente no concelho de Montemor-o-Velho
    2:20
  • Presidente de "O Sonho" suspeito de peculato e fraude
    2:26

    País

    O presidente das três instituições de solidariedade social de Setúbal - incluindo "O Sonho" -, que na sexta-feira foram alvo de buscas, foi constituído arguido. Florival Cardoso é, por enquanto, o único suspeito de peculato e fraude na obtenção de subsídios para as instituições.

  • Manifestação contra mina de urânio junta milhares em Salamanca
    1:39
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de armas da PSP, três recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avançou este sábado que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • Cessar-fogo de 30 dias na Síria
    2:07