sicnot

Perfil

País

Burro mirandês em risco de extinção

O burro mirandês pode extinguir-se nos próximos 50 anos, segundo as conclusões de uma investigação da Universidade de Vila Real sobre a demografia e reprodução da população da raça asinina de Miranda do Douro.

Festival do burro e do gaiteiro em Miranda do Douro, julho 2015.

Festival do burro e do gaiteiro em Miranda do Douro, julho 2015.

SIC

Miguel Quaresma, médico veterinário na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), debruçou-se, na sua tese de doutoramento, sobre a análise da demografia e reprodução da população do burro mirandês e, em comunicado hoje divulgado, explicou que o objetivo foi "prever a progressão da raça sob as atuais condições de maneio e identificar as variáveis vitais à sua sobrevivência".

"Concluímos que a raça está atualmente em risco de extinção", sublinhou o investigador, acrescentando que o estudo aponta, como fatores críticos de extinção, a baixa percentagem anual de fêmeas em reprodução, devido, "principalmente, ao abandono progressivo da criação destes animais".

Estimam-se em "600 indivíduos a população reprodutiva, que está envelhecida, onde menos de metade das fêmeas de raça pura registadas pariram e algumas pariram uma única vez", sustentou.

Segundo o estudo, outros fatores põem em causa a preservação da espécie, como a taxa de mortalidade em burrancos (crias) no primeiro mês de vida e que se verificou que é mais alta nos machos que nas fêmeas.

Por outro lado, em idade avançada, as fêmeas têm um menor sucesso reprodutivo (a partir dos 15 anos de idade), o que contribui para os riscos de extinção.

"A proporção de partos/animais vivos é baixa, não sendo suficiente para a manutenção da raça", alertou ainda o especialista, sublinhando, no entanto, que, caso aumente o número de crias, "uma pequena percentagem de fêmeas a reproduzir será suficiente para manter a população".

Outro dos fatores de risco para a conservação da raça do burro mirandês é o aumento da consanguinidade.

Esta deve-se, segundo o estudo, a fatores como a baixa taxa de reprodução, o reduzido número de machos, a desigual contribuição para a genética populacional e, ainda, a contribuição desigual dos diferentes criadores para a genética da população.

O investigador considerou que a solução passa, mais uma vez, pelo aumento do número de animais utilizados na reprodução.

"Um número maior de machos deve ser introduzido na reprodução em busca de uma contribuição igual de sua genética para a raça, especialmente dos menos representados. O mesmo se aplica para as burras em idade reprodutiva", sustentou Miguel Quaresma.

Para impedir a extinção, o investigador defendeu a introdução de políticas de estímulo para criadores e proprietários mais jovens e o apoio aos proprietários mais velhos.

"Novas estratégias para o uso sustentável do burro mirandês devem ser fomentadas para combater a variação negativa em práticas agrícolas que deixaram os rebanhos tradicionais com nenhum incentivo para se reproduzir", salientou.

A sustentabilidade da raça pode passar, na sua opinião, também pelo turismo, pela asinoterapia, a produção de leite de forma sustentável respeitando o bem-estar animal, ou ainda a utilização do burro mirandês como animal de estimação.

Lusa

  • Habitantes de Almeida barricaram-se durante seis horas em agência da CGD
    2:31

    País

    Perto de 100 pessoas estiveram esta quarta-feira barricadas na agência da Caixa Geral de Depósitos em Almeida, distrito da Guarda. O protesto contra o encerramento da agência só terminou quase seis horas depois, com a garantia que os autarcas serão recebidos na próxima terça-feira pela Administração do banco público. 

  • Carro que atropelou adepto encontrado na casa de um amigo do suspeito
    2:18

    Desporto

    O carro que terá atropelado o adepto italiano que morreu junto ao Estádio da Luz foi encontrado esta terça-feira, numa garagem na Amadora, na casa de um amigo do suspeito. Trata-se de um homem na casa dos 30 anos que pertence à claque No Name boys e é agora procurado pela Polícia Judiciária.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Web Summit inaugura primeiro escritório fora da Irlanda em Lisboa
    1:58

    Web Summit

    A Web Summit inaugurou em Lisboa o primeiro escritório fora da Irlanda, que vai dar emprego a 20 pessoas, algumas portuguesas. O próximo objectivo é alargar eventos a outros pontos do país. A conferência internacional regressa a Lisboa entre 6 e 9 de novembro e a organização espera ter 60 mil participantes.

  • Trump volta a apelar ao fim do programa nuclear de Pyongyang
    1:43

    Mundo

    Donald Trump voltou a apelar à Coreia do Norte para que abandone o programa nuclear e opte pela via do diálogo. O Presidente dos Estados Unidos chamou à Casa Branca, para uma reunião extraordinária, todos os senadores norte-americanos para serem informados sobre a atual crise com a Coreia do Norte.

  • Ivanka Trump vaiada por defender o pai durante debate sobre igualdade de género
    1:51

    Mundo

    Com o propósito de criar pontes com Donald Trump, a chanceler alemã Angela Merkel convidou a filha mais velha do Presidente norte-americano para participar numa cimeira. No entanto as coisas não correram muito bem e Ivanka Trump foi vaiada pela audiência por ter defendido o pai quando o assunto era a igualdade de género. 

  • Papa apelou à revolução da ternura
    0:52
  • Irmã da mulher mais pesada do mundo acusa hospital de mentir

    Mundo

    A irmã da mulher egípcia que se acreditava ser a mais pesada do mundo acusou os médicos de mentirem acerca da sua perda de peso. No entanto, o hospital que realizou a cirurgia bariátrica já respondeu às acusações, defendendo que a mulher pesa agora 172 quilos.

  • Diário de John F. Kennedy vendido por 660 mil euros

    Mundo

    Um diário escrito por John F. Kennedy quando jovem, durante uma curta passagem pelo jornalismo, depois da II Guerra Mundial, foi vendido por mais de 700 mil dólares (642 mil euros), informou esta quarta-feira uma casa de leilões.