sicnot

Perfil

País

Burro mirandês em risco de extinção

O burro mirandês pode extinguir-se nos próximos 50 anos, segundo as conclusões de uma investigação da Universidade de Vila Real sobre a demografia e reprodução da população da raça asinina de Miranda do Douro.

Festival do burro e do gaiteiro em Miranda do Douro, julho 2015.

Festival do burro e do gaiteiro em Miranda do Douro, julho 2015.

SIC

Miguel Quaresma, médico veterinário na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), debruçou-se, na sua tese de doutoramento, sobre a análise da demografia e reprodução da população do burro mirandês e, em comunicado hoje divulgado, explicou que o objetivo foi "prever a progressão da raça sob as atuais condições de maneio e identificar as variáveis vitais à sua sobrevivência".

"Concluímos que a raça está atualmente em risco de extinção", sublinhou o investigador, acrescentando que o estudo aponta, como fatores críticos de extinção, a baixa percentagem anual de fêmeas em reprodução, devido, "principalmente, ao abandono progressivo da criação destes animais".

Estimam-se em "600 indivíduos a população reprodutiva, que está envelhecida, onde menos de metade das fêmeas de raça pura registadas pariram e algumas pariram uma única vez", sustentou.

Segundo o estudo, outros fatores põem em causa a preservação da espécie, como a taxa de mortalidade em burrancos (crias) no primeiro mês de vida e que se verificou que é mais alta nos machos que nas fêmeas.

Por outro lado, em idade avançada, as fêmeas têm um menor sucesso reprodutivo (a partir dos 15 anos de idade), o que contribui para os riscos de extinção.

"A proporção de partos/animais vivos é baixa, não sendo suficiente para a manutenção da raça", alertou ainda o especialista, sublinhando, no entanto, que, caso aumente o número de crias, "uma pequena percentagem de fêmeas a reproduzir será suficiente para manter a população".

Outro dos fatores de risco para a conservação da raça do burro mirandês é o aumento da consanguinidade.

Esta deve-se, segundo o estudo, a fatores como a baixa taxa de reprodução, o reduzido número de machos, a desigual contribuição para a genética populacional e, ainda, a contribuição desigual dos diferentes criadores para a genética da população.

O investigador considerou que a solução passa, mais uma vez, pelo aumento do número de animais utilizados na reprodução.

"Um número maior de machos deve ser introduzido na reprodução em busca de uma contribuição igual de sua genética para a raça, especialmente dos menos representados. O mesmo se aplica para as burras em idade reprodutiva", sustentou Miguel Quaresma.

Para impedir a extinção, o investigador defendeu a introdução de políticas de estímulo para criadores e proprietários mais jovens e o apoio aos proprietários mais velhos.

"Novas estratégias para o uso sustentável do burro mirandês devem ser fomentadas para combater a variação negativa em práticas agrícolas que deixaram os rebanhos tradicionais com nenhum incentivo para se reproduzir", salientou.

A sustentabilidade da raça pode passar, na sua opinião, também pelo turismo, pela asinoterapia, a produção de leite de forma sustentável respeitando o bem-estar animal, ou ainda a utilização do burro mirandês como animal de estimação.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.