sicnot

Perfil

País

Burro mirandês em risco de extinção

O burro mirandês pode extinguir-se nos próximos 50 anos, segundo as conclusões de uma investigação da Universidade de Vila Real sobre a demografia e reprodução da população da raça asinina de Miranda do Douro.

Festival do burro e do gaiteiro em Miranda do Douro, julho 2015.

Festival do burro e do gaiteiro em Miranda do Douro, julho 2015.

SIC

Miguel Quaresma, médico veterinário na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), debruçou-se, na sua tese de doutoramento, sobre a análise da demografia e reprodução da população do burro mirandês e, em comunicado hoje divulgado, explicou que o objetivo foi "prever a progressão da raça sob as atuais condições de maneio e identificar as variáveis vitais à sua sobrevivência".

"Concluímos que a raça está atualmente em risco de extinção", sublinhou o investigador, acrescentando que o estudo aponta, como fatores críticos de extinção, a baixa percentagem anual de fêmeas em reprodução, devido, "principalmente, ao abandono progressivo da criação destes animais".

Estimam-se em "600 indivíduos a população reprodutiva, que está envelhecida, onde menos de metade das fêmeas de raça pura registadas pariram e algumas pariram uma única vez", sustentou.

Segundo o estudo, outros fatores põem em causa a preservação da espécie, como a taxa de mortalidade em burrancos (crias) no primeiro mês de vida e que se verificou que é mais alta nos machos que nas fêmeas.

Por outro lado, em idade avançada, as fêmeas têm um menor sucesso reprodutivo (a partir dos 15 anos de idade), o que contribui para os riscos de extinção.

"A proporção de partos/animais vivos é baixa, não sendo suficiente para a manutenção da raça", alertou ainda o especialista, sublinhando, no entanto, que, caso aumente o número de crias, "uma pequena percentagem de fêmeas a reproduzir será suficiente para manter a população".

Outro dos fatores de risco para a conservação da raça do burro mirandês é o aumento da consanguinidade.

Esta deve-se, segundo o estudo, a fatores como a baixa taxa de reprodução, o reduzido número de machos, a desigual contribuição para a genética populacional e, ainda, a contribuição desigual dos diferentes criadores para a genética da população.

O investigador considerou que a solução passa, mais uma vez, pelo aumento do número de animais utilizados na reprodução.

"Um número maior de machos deve ser introduzido na reprodução em busca de uma contribuição igual de sua genética para a raça, especialmente dos menos representados. O mesmo se aplica para as burras em idade reprodutiva", sustentou Miguel Quaresma.

Para impedir a extinção, o investigador defendeu a introdução de políticas de estímulo para criadores e proprietários mais jovens e o apoio aos proprietários mais velhos.

"Novas estratégias para o uso sustentável do burro mirandês devem ser fomentadas para combater a variação negativa em práticas agrícolas que deixaram os rebanhos tradicionais com nenhum incentivo para se reproduzir", salientou.

A sustentabilidade da raça pode passar, na sua opinião, também pelo turismo, pela asinoterapia, a produção de leite de forma sustentável respeitando o bem-estar animal, ou ainda a utilização do burro mirandês como animal de estimação.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.