sicnot

Perfil

País

Demora nos processos da Inspeção da Saúde pode levar à prescrição das infrações

O Tribunal de Contas (TdC) criticou a demora no envio dos processos da Inspeção Geral das Atividades em Saúde (IGAS), com eventuais responsabilidades financeiras, o que pode conduzir à prescrição das infrações indiciadas.

(Arquivo)

(Arquivo)

Francisco Seco / AP

"O tempo médio apurado entre a data de homologação pelo Inspetor-Geral dos relatórios de auditoria da IGAS em que são evidenciadas situações geradoras de eventuais responsabilidades financeiras e a data de envio dos processos autónomos de apuramento das respetivas responsabilidades ao Tribunal de Contas foi de 22,5 meses", lê-se no documento.

Para o TdC, esta demora "prejudica a tempestividade do processo, a recolha da prova e, no limite, conduz à prescrição das infrações indiciadas".

Segundo o relatório do TdC relativo a uma auditoria de desempenho à IGAS, referente ao quadriénio 2010-2013, este órgão de controlo setorial do sistema de saúde e do Serviço Nacional de Saúde (SNS) "não dispõe de informação completa e fiável sobre o cumprimento/implementação das recomendações produzidas nos seus relatórios, à exceção da área disciplinar".

Esta ausência "não permite avaliar, com rigor, o impacto real da atividade nas áreas de auditoria e inspeção", prossegue o TdC.

O Tribunal acrescenta que "o número de recomendações formuladas nos relatórios produzidos pela Inspeção-Geral é elevado, apresentando um teor extenso e predominantemente qualitativo".

"Na área da auditoria, esta profusão de recomendações pode afetar a respetiva apreensão, exequibilidade e dificultar a auditabilidade sobre o acatamento das mesmas".

As críticas estendem-se ao facto de não estarem "instituídos mecanismos de controlo e acompanhamento sistemático e regular da implementação dessas recomendações", nem estarem "estabelecidas metas (prazos) para a referida implementação".

O orçamento anual da IGAS -- que em 2013 dispunha de 88 trabalhadores - é de cerca de 3,2 milhões de euros.

Lusa

  • 105 detidos pela PSP e GNR nas últimas 24 horas

    País

    Só a GNR deteve 64 pessoas em flagrante delito, entre a noite de sexta-feira e o início da manhã deste sábado, a maioria das quais (47) por condução sob o efeito do álcool. A PSP de Lisboa efetuou 41 detenções em 24 horas, dez por tráfico de droga.

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.