sicnot

Perfil

País

Fenprof acusa Crato de não aprovar novo estatuto de carreira científica por medo

A Fenprof acusou hoje o ministro da Educação, Nuno Crato, de ter desistido de aprovar um novo estatuto da carreira de investigação científica, por já ter entrado em "modo eleições" e ter "medo da contestação".

JOS\303\211 COELHO

"O governo entrou, decididamente, em 'modo eleições': se lhe interessa, avança; se não lhe interessa e provoca contestação, então fica para a próxima legislatura. Novo exemplo do que se afirma e que, no MEC [Ministério da Educação e Ciência], o ministro Nuno Crato aplica em pleno, é o anunciado adiamento da revisão do estatuto da carreira de investigação científica", acusou hoje a Federação Nacional dos Professores (Fenprof), em comunicado.

A federação de professores considerou que este adiamento para para o próximo Governo - a próxima legislatura -- deve ser lido como uma vitória sindical.

"A Fenprof considera que a desistência do Governo quanto à aprovação de uma revisão do estatuto de carreira de investigação científica é revelador da sua incapacidade política para produzir um diploma que correspondesse às necessidades do desenvolvimento da ciência em Portugal, indissociáveis da criação de um corpo de investigadores estável, adequadamente qualificado e motivado", lê-se no comunicado.

O ministro remeteu, na terça-feira, para "o próximo Governo" a novo estatuto da carreira de investigação científica, prometido pela tutela para o fim de 2014.

"Eu julgo que será algo prioritário para o próximo Governo", afirmou, lacónico, aos jornalistas, em Lisboa, no final da apresentação do relatório da avaliação externa à Fundação para a Ciência e Tecnologia, entidade pública sob tutela do Ministério da Educação e Ciência que subsidia a investigação.

Hoje, a Fenprof manifestou a expectativa de que, na próxima legislatura, o novo estatuto seja uma matéria assumida "como prioritária".

"A Fenprof continuará a mobilizar a comunidade académica e os investigadores, manifestando-se disponível para, em ações próprias ou convergentes, alcançar uma revisão digna da carreira de investigação científica", lê-se no documento da estrutura sindical.

Em declarações à Antena 1 e ao Diário Económico, em janeiro de 2014, a secretária de Estado da Ciência, Leonor Parreira, apontou o fim desse ano como o prazo para ter o novo estatuto da carreira de investigação científica.

Posteriormente, em junho de 2014, Leonor Parreira disse à Lusa, sem adiantar pormenores sobre o documento, que a proposta do Governo de revisão do estatuto da carreira de investigação científica estava pronta, mas que aguardava pareceres finais do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia, órgão consultivo presidido pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, assim como de outras entidades, como o Conselho dos Laboratórios Associados e o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas.

O atual estatuto da carreira de investigação científica é de 1999.

Lusa

  • Avião cruza-se com drone a 900 metros de altitude
    2:01
  • Depois do Fogo
    23:30
  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Naufrágio na Colômbia registado em vídeo
    2:11
  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • O último adeus a Miguel Beleza

    País

    O velório do economista e ex-ministro das Finanças realiza-se esta segunda-feira na Igreja do Campo Grande, em Lisboa, a partir das 18h00.

  • Trump quebra tradição da Casa Branca com 20 anos

    Mundo

    Donald Trump decidiu não fazer um jantar de celebração pelo fim do Ramadão, o mês em que os muçulmanos cumprem jejum entre o nascer e o pôr do sol. O Presidente dos Estados Unidos quebrou a tradição da Casa Branca, pela primeira vez em 20 anos.