sicnot

Perfil

País

Marinha portuguesa em missão em Espanha para controlar fluxos migratórios

O navio patrulha "Viana do Castelo" participa a partir de hoje, pelo segundo ano consecutivo, numa missão internacional para controlar fluxos migratórios do norte de África em águas espanholas e nas fronteiras com a Argélia e Marrocos.

Navio "Viana do Castelo"

Navio "Viana do Castelo"

marinha.pt

De acordo com o porta-voz da Marinha Portuguesa, Paulo Vicente, o navio patrulha 'NRP Viana do Castelo' zarpa hoje, pelas 15:00, da base naval do Alfeite, Almada, repetindo a experiencia "bem sucedida" do ano passado.

"O NRP Viana do Castelo vai participar, em colaboração com a agência Frontex, pelo segundo ano consecutivo, na missão Indalo 2015", que é supervisionada pela Frontex, da União Europeia, "que controla fluxos migratórios provenientes do norte de África numa zona específica que é o sul de Espanha", disse Paulo Vicente à agência Lusa.

A operação Índalo, que se realiza no Mediterrâneo ocidental, em águas espanholas e nas fronteiras marítimas com a Argélia e com Marrocos, tem como finalidade detetar, identificar e impedir a atividade ilegal de embarcações envolvidas na atividade associada aos fluxos migratórios irregulares e prestar socorro sempre que necessário.

Paulo Vicente adiantou que no navio português, além dos 67 militares embarcados, seguem dois inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), já que é esta a autoridade responsável pelo controlo irregular da emigração em Portugal, e um oficial de ligação espanhol.

De acordo com o responsável da Marinha portuguesa, a zona que o navio vai patrulhar "não tem um grande fluxo migratório como aquele que se regista em outras zonas do Mediterrâneo", caso de Itália", e quando são detetados os migrantes estes estão já mais junto a terra, no sul de Espanha.

"Em termos genéricos, espera-se que nesta altura do ano, e com as condições meteorológicas mais favoráveis, as pessoas, infelizmente, tentem mais este ilícito de cruzar a linha do mediterrâneo numa zona muito mais estreita, junto ao Estreito de Gibraltar", explicou Paulo Vicente.

O navio da Marinha portuguesa, comandado pelo capitão-tenente Jorge Miguel Morais Chumbo, irá assegurar mais de 500 horas de patrulha e está previsto que percorra cerca de 4.000 milhas marítimas na área de operações.

De acordo com a Guardia Civil Espanhola, no ano passado foram intercetados 4.114 imigrantes ilegais e 328 embarcações, na vigilância nas águas orientais espanholas durante o verão.

Lusa

  • Passos Coelho diz que UE não tem dado resposta aos fluxos migratórios
    0:59

    Mundo

    O primeiro-ministro ponta o dedo à União Europeia na resposta aos fluxos migratórios ilegais no Mediterrâneo. Pedro Passos Coelho diz que nunca foi dito aos Estados Membros o que faz falta para concertar a estratégia para um problema comum, com várias raízes e que compromete a segurança do continente. Declarações em Málaga, na visita ao destacamento da Força Aérea Portuguesa que integra a Operação Indalo, uma missão da Frontex, a Agência europeia responsável pela gestão das fronteiras.

  • Cameron preocupado com incursão de migrantes ilegais
    0:26

    Mundo

    O primeiro-ministro David Cameron considera que o Reino Unido está perante uma situação "muito preocupante", com a incursão de migrantes ilegais através do Canal da Mancha. Garante estar a trabalhar com as autoridades francesas para encontrar uma solução para o problema.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC