sicnot

Perfil

País

Praia de Dona Ana no Algarve já não é de ouro

A Quercus anunciou que suspendeu a classificação "Qualidade de Ouro" atribuída à praia de Dona Ana, em Lagos, Algarve, aquela que chegou a ser a melhor praia portuguesa e a 20ª melhor da Europa eleita pelos utilizadores do Trip Advisor, um dos principais sites de viagens do mundo.

Agora considerando que as obras realizadas comprometeram o equilíbrio ambiental e paisagístico que fundamentam a atribuição deste galardão, a Dona Ana já não é de ouro.

Em causa estão as intervenções recentes realizadas na praia por decisão governamental, que compreenderam a recarga artificial de areia, numa extensão de 40 metros, a construção de um esporão para reter sedimentos e a consolidação de arribas.

"Para além de alterarem significativamente a paisagem natural característica da praia da Dona Ana, colocam em causa a conservação e a proteção de ecossistemas marinhos de elevada biodiversidade, nomeadamente a destruição de dois roteiros subaquáticos identificados pela Universidade do Algarve", critica a associação ambientalista, num comunicado enviado à agência Lusa.

Para a Quercus, estas intervenções "não se justificam" devido ao seu custo elevado (1,8 milhões de euros) e ao seu caráter temporário.

As obras foram aprovadas em 2012 e não passaram por uma Avaliação de Impacte Ambiental.

O presidente da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), Nuno Lacasta, justificou que o contrato relativo à intervenção foi assinado quase um ano antes da nova lei de impacte ambiental pelo que as obras não estavam sujeitas a esta avaliação.

Já o ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, assegurou que "a segurança" foi o motivo que justificou as obras de alimentação artificial na praia Dona Ana.

A intervenção estava prevista desde 1999 no Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) Vilamoura/Burgau, mas só arrancou no terreno em abril deste ano, tendo sido concluída este mês.

Os ambientalistas defendem que a segurança dos veraneantes "não passa pela destruição da beleza paisagística" das praias, mas por campanhas de sensibilização e por limitar o número de utentes, medida que consideram "fundamental em praias de arribas instáveis", como a de Dona Ana.

"É importante ainda salientar que, a crescente construção de hotéis e habitações privadas em domínio público hídrico, reflete o deficiente ordenamento do território na região do Algarve, constituindo a grande causa para a degradação das arribas", alerta também a Quercus, apelando à "rápida atuação do poder político" no sentido de proibir e retirar habitações que se encontram em zonas assinaladas com elevado perigo de derrocada.

A Quercus salienta que, embora a classificação "Qualidade de Ouro" atribuída às praias nacionais em 2015 tenha sido baseada na análise à qualidade da água realizada pela APA -- Agência Portuguesa do Ambiente, "não pode deixar de tomar em conta" acontecimentos que colocam em causa o equilíbrio ambiental e paisagístico.

"Outros casos excecionais como este serão devidamente analisados, no sentido de se ponderar semelhantes suspensões do galardão atribuído", acrescenta a associação ambientalista

Com Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.