sicnot

Perfil

País

Acidente com várias viaturas no IC1 em Ourique fez sete feridos

Sete feridos, dois deles graves, é o balanço da colisão, envolvendo dois veículos pesados e três ligeiros, que ocorreu esta quinta-feira no IC1, na zona de Ourique, e que obrigou ao corte do trânsito, informaram os bombeiros e GNR.

Google Maps

Todos os feridos do acidente, que ocorreu por volta das 16:45, já foram transportados pelos bombeiros para as urgências do hospital de Beja, indicou fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS), referindo que três outras pessoas foram apenas assistidas no local.

Na sequência da colisão, o Itinerário Complementar (IC) 1, que faz ligação ao Algarve, foi cortado em ambos os sentidos na zona de Montenegro, no concelho de Ourique, estando o trânsito a ser desviado para itinerários alternativos, referiu a GNR, que prevê a reabertura da via ao trânsito cerca das 20:00.

A colisão envolveu três veículos ligeiros e dois pesados de mercadorias, um deles sem carga, que capotou, e outro que transportava biodiesel e óleo alimentar, explicou a fonte do CDOS de Beja, acrescentando que não se verificou qualquer derrame.

As operações de socorro mobilizaram os bombeiros de Ourique, Castro Verde e Aljustrel, com várias ambulâncias, a Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Hospital do Litoral Alentejano e um helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), que foi desmobilizado sem efetuar qualquer transporte.

Lusa

  • Bruno de Carvalho garante empenho do Sporting
    0:52

    New Articles

    Bruno de Carvalho diz que o Sporting continua empenhado apesar do momento que o clube atravessa. O presidente leonino discursou ao início da tarde no núcleo Leões da Madeira, no Funchal, onde o Sporting joga hoje com o Marítimo.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.