sicnot

Perfil

País

Duarte Lima não deve recorrer de decisão de ser julgado no Brasil

A defesa de Duarte Lima não deverá recorrer da decisão da justiça brasileira, que decidiu levá-lo a tribunal de júri sob a acusação de homicídio de Rosalina Ribeiro, disse à Lusa o advogado Fabiano Migueis.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) anunciou na sexta-feira ter recebido uma carta rogatória das autoridades brasileiras para que o ex-deputado social-democrata Duarte Lima fosse notificado para julgamento. Segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro, a carta informa que a acusação formal da Promotoria foi aceite pela Justiça e dá a oportunidade de o réu recorrer dessa decisão.

O advogado Fabiano Migueis afirmou que ainda não foi intimado sobre a referida carta e que, como ainda não comunicou com Duarte Lima nos últimos dias, não sabe se o ex-deputado já terá sido notificado. Entretanto, disse não pretender recorrer da decisão judicial.

"O trâmite legal é tomarmos conhecimento da pronúncia [fase do processo em que a Justiça aceita a acusação do Ministério Público]. Vamos aguardar o agendamento [da data do julgamento], mas já estamos a trabalhar para o tribunal de júri", disse o advogado, que é parte da defesa do ex-deputado no Rio de Janeiro.

Duarte Lima é acusado de homicídio de Rosalina Ribeiro, morta a tiro em dezembro de 2009, em Saquarema, nos arredores do Rio de Janeiro. Ela foi a companheira do milionário português Lúcio Tomé Feteira, falecido em 2000, e o ex-deputado era seu advogado num processo relacionado com a herança.

A decisão da Justiça que aceitou as acusações do Ministério Público afirma que "finda a instrução da prova, ouvidas as testemunhas de acusação, ficaram provados indícios de autoria de delito por parte do réu".

O pedido para a realização do julgamento perante um júri foi feito, em requerimento dirigido à Justiça, por um dos advogados de defesa de Duarte Lima no Brasil, João Ribeiro Filho.

No requerimento, a que a agência Lusa teve acesso, o advogado apresentou as alegações finais, considerando que a imputação de homicídio a Duarte Lima é uma "acusação monstruosa feita de forma leviana pela autoridade policial e ratificada pelo Ministério Público".

"Não se baseia em nenhum facto verificável, mas em dados falsos e em meras presunções e especulações, em testemunhos de ouvir dizer ou em testemunhos clamorosamente falsos, como foi o testemunho da principal inimiga que Rosalina Ribeiro teve ao longo da sua vida, e sobretudo num envenenamento sistemático e manipulador dos media pela investigação, procurando dessa forma criar um facto consumado que conduzisse a uma condenação antecipada junto da opinião pública e com isso condicionar uma decisão judicial final", diz o requerimento.

Rosalina Ribeiro foi a companheira do milionário português Lúcio Tomé Feteira, falecido em 2000, e Duarte Lima era o seu advogado num processo na justiça brasileira relacionado com a herança e que envolvia também a filha do milionário português.

Entretanto, Duarte Lima foi condenado em Portugal a 10 anos de prisão efetiva por burla qualificada e branqueamento de capitais no caso Homeland, relacionado com crédito obtido no Banco Português de Negócios (BPN) para compra de terrenos em Oeiras.

O seu advogado, Soares da Veiga, recorreu da decisão condenatória para o Tribunal da Relação de Lisboa (TRL), que ainda não proferiu acórdão.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.