sicnot

Perfil

País

Hospitais privados denunciam "relações promíscuas" entre Governo e misericórdias

A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) anunciou hoje a denúncia, à Comunidade Europeia, das "relações promíscuas entre as Misericórdias e o Ministério da Saúde (MS)" devido à renovação de um acordo para consultas e cirurgias na região Norte.

HUGO DELGADO/ LUSA

Em comunicado, a APHP fala numa "cartelização da Saúde através das Misericórdias", alertando que a recente "renovação do acordo entre o MS e oito misericórdias da região Norte para a realização de consultas e cirurgias no valor de 125 milhões de euros para os próximos cinco anos, configura um reiterado comportamento anticoncorrencial".

"Não vamos tolerar mais práticas de gestão pública que privilegiem sistematicamente o setor dito social, cujas unidades de saúde, apesar de não estarem sujeitas a auditorias e ao escrutínio das suas contas no que diz respeito ao relacionamento especial com o Estado, continuam a absorver recursos do Serviço Nacional de Saúde sem concurso público", avisa Artur Osório Araújo, presidente da APHP.

O responsável pela associação que representa os hospitais privados portugueses considera que as relações entre o MS e as misericórdias são feitas "ao arrepio das mais elementares regras do mercado e sem acautelar a defesa do interesse dos cidadãos".

"Como o Governo continua a insistir em adjudicações diretas às Misericórdias, não cuidando de saber se outros prestadores fazem melhor e mais barato, a APHP vê-se forçada a denunciar à CE as relações promíscuas entre as Misericórdias e o MS", afirma Artur Osório Araújo, citado no comunicado.

De acordo com o responsável, esta atitude viola "todas as regras de direito sem que disso resulte qualquer benefício para os doentes e para o erário público".

A APHP critica a "insistência do Governo em adjudicações diretas às misericórdias", fala num "espírito de cartel" e no "total desrespeito" por artigos do "Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia", que "proíbem acordos que restrinjam a concorrência, qualquer que seja a intenção das partes, bem como o abuso de posição dominante".

Pelo contrário, diz Artur Osório Araújo, o procedimento apenas favorece "um estilo de lobismo onde se misturam interesses partidários, em que os atores políticos circulam como num sistema de vasos comunicantes entre a política e as direções das misericórdias".

Quanto ao acordo com oito misericórdias da região Norte, o presidente da APHP diz não entender a atitude do atual Governo ao renovar "um acordo formulado pelo executivo anterior que configura uma afronta às mais elementares premissas de transparência num mercado que se pretende bem regulado e auditado - tal como neste momento acontece com as parcerias público-privadas existentes no âmbito da Saúde".

Artur Osório Araújo assegura compreender e defender o papel social das misericórdias, "sobretudo no domínio dos deficitários cuidados continuados" mas, no que diz respeito aos cuidados hospitalares, entende que os mesmos se devem sujeitar "às regras do mercado".

Ou seja, "às mesmas regras no acesso dos doentes, aos mesmos processos de certificação, às mesmas normas de auditoria e a serem tratadas como organizações sem fins lucrativos em matéria fiscal", acrescenta.

A APHP revela ainda que "tem manifestado", tanto publicamente como ao MS, "a vontade dos hospitais privados concorrerem a este tipo de prestação de serviços de saúde ou até à gestão de Hospitais Públicos".

No entanto, destaca, tal pretensão passa por "concursos públicos, mediante cadernos de encargos devidamente elaborados e com esquemas de acompanhamento e auditorias devidamente estabelecidos".

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Pyongyang cria vídeo a simular ataque a navios dos EUA
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos da América pretendem reforçar as sanções à Coreia do Norte e investir nos esforços diplomáticos. Contudo, a tensão militar persiste. Pyongyang emitiu um vídeo em que simula um ataque a navios norte-americanos.

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.