sicnot

Perfil

País

Mortos nas estradas aumentaram 10% em relação ao ano passado, num total de 277

Os acidentes nas estradas portuguesas provocaram este ano 277 mortos, mais 25 do que em igual período de 2014, revelou hoje a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária.

Segundo a ANSR, que reúne dados da PSP e da GNR, as vítimas mortais aumentaram 9,9 por cento, de 01 de janeiro a 31 de julho deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado.

Os dados da Segurança Rodoviária indicam também que o número de acidentes rodoviários aumentou 5,3 por cento este ano, tendo-se registado 68.845 desastres, até ao final de julho, mais 3.472 do que no mesmo período do ano passado, quando tinham ocorrido 65.373.

Os distritos com mais vítimas mortais, nos primeiros sete meses deste ano, são Lisboa (29), Porto (25) e Coimbra (21).

Os distritos com menos mortos, no mesmo período, são a Guarda (cinco) e Beja (sete).

Também os feridos graves aumentaram, até julho, registando uma subida de quase cinco por cento, ao ficarem gravemente feridos 1.212 pessoas, mais 57 do que no mesmo período do ano passado.

A ANSR adianta ainda que os feridos ligeiros aumentaram ligeiramente, tendo sofrido ferimentos ligeiros 20.447 pessoas, contra as 20.155 de 2014.

As vítimas mortais das estatísticas da ANSR dizem respeito aos mortos cujo óbito ocorreu no local do acidente ou a caminho do hospital.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".