sicnot

Perfil

País

PSD diz que tem de se resolver com CDS participação em debates

O PSD assumiu hoje disponibilidade para vários debates nas televisões e rádios antes das legislativas de outubro, mas sublinhou que tem "de se resolver com o CDS-PP" a sua participação em alguns dos encontros.

M\303\201RIO CRUZ

"O PSD, hoje, na reunião com o PS, a RTP e a Rádio Renascença, assumiu a disponibilidade para a realização do debate dia 9 nas televisões e dia 17 de setembro nas rádios", sustentam os sociais-democratas numa nota enviada à agência Lusa, referindo-se, neste caso, aos frente-a-frente entre Pedro Passos Coelho e António Costa.

O partido frisa que "ressalvou" no encontro de hoje a "necessidade de se acertar todo o calendário dos restantes frente-a-frente com os outros partidos para poder dar a sua aquiescência aos mesmos".

"Assim, só por precipitação ou falta de atenção se poderá considerar que a reunião de hoje concluiu pela não participação do CDS nos frente a frente e no debate de dia 22", até porque os centristas não estiveram no encontro de hoje, acrescentam os sociais-democratas na nota enviada à Lusa.

O debate televisivo entre os líderes da coligação Portugal à Frente (PSD/CDS-PP), Pedro Passos Coelho, e do Partido Socialista (PS), António Costa, ficou marcado para 09 de setembro, disseram hoje à Lusa fontes ligadas ao processo.

O frente-a-frente na rádio, no âmbito das eleições legislativas, entre Passos Coelho e António Costa está agendado para 17 de setembro, enquanto o debate com todos os partidos deverá acontecer a 22 de setembro, adiantaram as mesmas fontes.

Estas foram as principais conclusões da reunião que decorreu esta tarde e juntou representantes do PS e do PSD, das rádios e das televisões.

As televisões arrancam com o primeiro debate político entre Passos Coelho e António Costa na segunda semana de setembro.

O segundo frente-a-frente decorrerá nas rádios, na semana seguinte, numa iniciativa inédita em Portugal que junta a Renascença, a Antena 1 e a TSF.

O debate vai ter lugar no MEO Arena, Lisboa e, além da emissão simultânea na rádio, será também transmitido, com imagem, nos respetivos 'sites'.

De acordo com a Renascença, "pelo meio dessas datas, as televisões vão organizar outros duelos eleitorais entre os líderes de outros partidos, nos quais será incluído Paulo Portas, presidente do CDS-PP, partido que vai a eleições coligado com o PSD".

Relativamente ao debate de 22 de setembro, em plena campanha oficial, entre os partidos com assento parlamentar, este será organizado pelas televisões, mas ficou ainda por fechar o formato final.

Também por decidir ficou a inclusão ou não de Paulo Portas naquele debate.

Para o PCP, que concorre com Os Verdes na coligação CDU, tem de haver um critério objetivo nos debates: ou se trata de candidaturas ou de partidos com assento parlamentar.

A lei que regula a cobertura jornalística em período eleitoral refere que "no período eleitoral os debates entre candidaturas promovidos pelos órgãos de comunicação social obedecem ao princípio da liberdade editorial e de autonomia de programação, devendo ter em conta a representatividade política e social das candidaturas concorrentes".

O Presidente da República marcou as legislativas para 04 de outubro e considerou "desejável" que o próximo Governo tenha um "apoio maioritário" no parlamento e seja "sólido, estável e duradouro".

Numa comunicação ao país, Cavaco Silva afirmou que cabe aos partidos a responsabilidade de negociar "uma solução governativa estável e credível" com apoio maioritário no parlamento, face à possibilidade de nenhum deles alcançar maioria.

O Presidente da República apelou ainda a uma campanha eleitoral serena e com elevação, considerando que, no momento que Portugal atravessa, é essencial preservar "pontes de diálogo" entre os partidos.

Lusa

  • Carlos Coelho diz que faltam fundos e vontade para resolver crise migratória
    1:38

    País

    O eurodeputado do PSD, Carlos Coelho, considera que faltam fundos, mas também vontade política para resolver a crise de refugiados na Europa. Carlos Coelho diz que a diretiva do retorno não está a ser cumprida e é preciso rever as regras do asilo, que estão a agravar a situação dos refugiados económicos em Calais, por exemplo. No Mediterrâneo, a situação é ainda pior desde que a União Europeia criou uma operação para substituir a italiana Mare Nostrum, mas, no final, ficou tudo igual ou pior.

  •  PSD diz que dados da UTAO dizem respeito ao primeiro semestre do ano
    0:41

    Economia

    O PSD sublinha que os dados da UTAO dizem respeito apenas ao primeiro semestre do ano e que até dezembro as metas do Governo serão alcançadas. A UTAO estimou hoje que o orçamento pode chegar ao final do ano com um desvio de 660 milhões de euros nos impostos, abaixo do previsto pelo Governo, se a receita fiscal mantiver o ritmo de crescimento do primeiro semestre.

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos únicos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.

  • Tiroteio em Espanha causa três mortos

    Mundo

    Um tiroteio na cidade espanhola de Teruel, na região de Aragão, fez esta quinta-feira três mortos, entre os quais dois elementos da Guardia Civil. O atirador está em fuga.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • Os Simpsons já sabiam em 1998 que a Fox iria pertencer à Disney

    Cultura

    Os Simpsons acertaram outra vez. Algo que tem acontecido regularmente nos últimos tempos, com a eleição de Donald Trump, o aparecimento do vírus Ébola ou o escândalo dos Panama Papers. Desta vez, a previsão remonta a 1998, quando a série previu que a 20th Century Fox iria pertencer à Disney.

    SIC