sicnot

Perfil

País

BE acusa Governo de "cinismo" ao congratular-se com números do desemprego

O líder parlamentar do Bloco de Esquerda afirmou hoje que o Governo mostra "cinismo" ao dizer que os números do desemprego relativos ao primeiro trimestre do ano "são históricos", por serem dados que demonstram uma realidade parcial.

"Do nosso ponto de vista estes dados de desemprego são dados que demonstram uma realidade parcial", afirmou Pedro Filipe Soares em declarações à agência Lusa, acrescentando que "quem vem hoje dizer, como diz o Governo, que estes números são históricos, fá-lo com um enorme cinismo".

A taxa de desemprego fixou-se nos 11,9% de abril a junho, menos 1,8 pontos percentuais do que no trimestre anterior e 2,0 pontos percentuais abaixo do trimestre homólogo de 2014, segundo estimativas hoje divulgadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

O líder parlamentar do BE justificou a "realidade parcial" dos números por não incluírem "muitos daqueles que emigraram, muitos daqueles que estão em estágios, em contrato de emprego de inserção, que ficaram desmotivados e por isso que perderam a ligação ao centro de emprego, ou aqueles que estão em ações de formação".

"E quando nós olhamos para os dados do emprego, e por isso dos números de postos de trabalho existentes no nosso país, vemos que em quatro anos decaiu cerca de 219 mil postos de trabalho, o que significa que este Governo foi responsável por essa destruição, quase 150 postos de trabalho destruídos por dia", sublinhou.

O coordenador bloquista acusou ainda o Governo de nunca ter "valorizado a criação de emprego" e de ter sido o executivo "que mais destruiu postos de trabalho ao longo da democracia, e que desvalorizou o apoio social aos trabalhadores porque cortou no subsídio de desemprego".

Quanto à emigração, fenómeno que o porta-voz do PSD, Marco António Costa, localizou antes da governação da maioria PSD/CDS-PP, o líder bloquista considerou que "mesmo no Governo de José Sócrates a emigração já existia, porque a taxa de desemprego já era elevada" mas "nunca como nestes quatro anos" se registou "uma tão elevada taxa de emigração".

"Eu creio que o Governo tenta aliviar a sua consciência chamando maus exemplos de outros para aqui comparar consigo próprio, agora o que nós não deveremos aceitar é que se normalize esta emigração e as responsabilidades que o Governo teve nesta realidade", declarou o deputado do BE.

Pedro Filipe Soares defendeu ainda que a emigração "é o resultado de uma escolha deliberada de quem colocou a política de austeridade à frente das necessidades das pessoas e da necessidade de reconstruir a economia do país".

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.