sicnot

Perfil

País

Sindicato de técnicos do INEM exige saber quando são repostos os meios fechados

O Sindicato dos Técnicos de Ambulância de Emergência (STAE) exige saber quando serão repostos os meios do INEM que foram fechados ou ficaram com horário reduzido, compromisso assumido pela tutela em julho e ainda não cumprido.

(SIC/ Arquivo)

Numa carta enviada ao Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde (SEAMS), o STAE recorda que suspendeu a greve ao trabalho suplementar com base nesse compromisso assumido há "mais de duas semanas".

Na mesma missiva, questiona "o porquê de até à presente data" não terem sido "restabelecidos ao seu habitual funcionamento" os meios fechados ou com horário reduzido.

No dia 24 de julho, o SEAMS foi informado de que os associados do STAE haviam decidido suspender a greve ao trabalho suplementar, devido à "disponibilidade" demonstrada pela tutela "em retomar o diálogo para discussão da Carreira Especial de Técnico de Emergência Pré-Hospitalar" e ao compromisso de "repor em funcionamento" os referidos meios do INEM.

"Assim sendo, interrogamos para quando a reposição do dispositivo habitual do INEM, com a reabertura dos meios fechados, a reposição dos horários e o fecho da SIV [Suporte Imediato de Vida] Lisboa", questiona o STAE.

O sindicato quer ainda saber se o secretário de Estado "se revê nestas políticas do INEM, com menos ambulâncias disponíveis, comprometendo o socorro dos portugueses, com os conhecidos atrasos de 30 ou mais minutos no seu acionamento, condicionando a prestação de cuidados de saúde em tempo útil no contexto da emergência médica".

Especificamente, o STAE refere o socorro às populações de Viseu, Covilhã, Aveiro e Lisboa e sublinha a falta de planeamento e antecipação das necessidades de socorro de regiões como o Algarve, que todos os anos nos meses de julho e agosto sofre um aumento de população.

A propósito, relembra que o conselho diretivo do INEM anunciou a execução de um reforço de meios, para fazer face a essa necessidade, "mas que, com o mês de agosto a decorrer, nada fez".

O STAE exige ainda saber concretamente o que é que a tutela defende para o INEM e para os seus profissionais.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC