sicnot

Perfil

País

PS considera que relatório do FMI é "um aviso à maioria"

O PS considerou que o relatório do Fundo Monetário Internacional hoje divulgado é "um aviso à maioria", uma vez que a instituição questiona a capacidade do Governo português em atingir as metas do défice com que se comprometeu.

"Leio [este relatório] como um aviso à maioria. Depois do longo romance do PSD/CDS com o FMI, e depois de várias provas de fidelidade do senhor primeiro-ministro ao FMI, quer antes das eleições de 2011, quer depois, parece que o FMI ficou agora surpreendido com o eleitoralismo do Governo e da maioria", afirmou o deputado socialista e membro do secretariado nacional do PS, João Galamba.

Em declarações à Lusa, o deputado assinalou que "o que o FMI vem dizer é que o Governo parou a estratégia que vinha seguindo e não acredita na maioria dos números que têm sido defendidos pelo Governo para efeitos puramente eleitorais, quer do défice, quer da devolução da sobretaxa".

O Fundo liderado por Christine Lagarde alerta que as receitas de IRC e IRS podem ficar abaixo das metas para este ano e assim comprometer o objetivo do défice, caso não sejam aplicadas novas medidas de contenção de despesa

No relatório sobre a segunda missão de monitorização pós-programa divulgado hoje, o FMI afirma -- tal como tem feito nas últimas análises a Portugal -- que existe um "risco tangível" de o país não cumprir o objetivo do défice orçamental inscrito pelo Governo no Orçamento do Estado deste ano, de 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB), "sem medidas adicionais de contenção de despesa".

Apela igualmente ao Governo para que tenha "cautela" na reversão já prometida das medidas do lado da receita, alertando que pode ser preciso "adiar ou cancelar parcialmente" a eliminação da sobretaxa de IRS.

"O FMI não acredita nos números do Governo no défice e acha que o Governo está a ser demasiado otimista e que o défice não ficará abaixo dos 3%. O que é novo neste relatório é a atenção dada à devolução da sobretaxa e aos reembolsos do IVA", destacou João Galamba.

Baseando-se nos dados da execução orçamental até maio (o relatório foi concluído em meados de julho), o FMI afirma que "é provável" que as receitas dos impostos sobre o rendimento de pessoas coletivas (IRC) e singulares (IRS) "fiquem abaixo da meta orçamental".

O FMI refere ainda que as receitas do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) aumentaram nos primeiros cinco meses do ano, devido em parte à recuperação do consumo, "mas também devido a um abrandamento nos reembolsos".

"O FMI parece agora juntar-se ao coro -- à semelhança dos avisos da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) na semana passada e do PS - e não acredita na propaganda eleitoral do Governo", sublinhou.

No documento, o FMI defende ainda que "é fundamental" recuperar o impulso reformista "quando for formado um novo governo", depois das eleições legislativas de outubro, destacando o mercado de trabalho e o setor público como áreas chave e recomenda a Portugal que mantenha "uma almofada financeira ampla", uma vez que as necessidades de financiamento de médio prazo "continuam elevadas".

Lusa

  • Habitantes de Almeida barricaram-se durante seis horas em agência da CGD
    2:31

    País

    Perto de 100 pessoas estiveram esta quarta-feira barricadas na agência da Caixa Geral de Depósitos em Almeida, distrito da Guarda. O protesto contra o encerramento da agência só terminou quase seis horas depois, com a garantia que os autarcas serão recebidos na próxima terça-feira pela Administração do banco público. 

  • Carro que atropelou adepto encontrado na casa de um amigo do suspeito
    2:18

    Desporto

    O carro que terá atropelado o adepto italiano que morreu junto ao Estádio da Luz foi encontrado esta terça-feira, numa garagem na Amadora, na casa de um amigo do suspeito. Trata-se de um homem na casa dos 30 anos que pertence à claque No Name boys e é agora procurado pela Polícia Judiciária.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Web Summit inaugura primeiro escritório fora da Irlanda em Lisboa
    1:58

    Web Summit

    A Web Summit inaugurou em Lisboa o primeiro escritório fora da Irlanda, que vai dar emprego a 20 pessoas, algumas portuguesas. O próximo objectivo é alargar eventos a outros pontos do país. A conferência internacional regressa a Lisboa entre 6 e 9 de novembro e a organização espera ter 60 mil participantes.

  • Trump volta a apelar ao fim do programa nuclear de Pyongyang
    1:43

    Mundo

    Donald Trump voltou a apelar à Coreia do Norte para que abandone o programa nuclear e opte pela via do diálogo. O Presidente dos Estados Unidos chamou à Casa Branca, para uma reunião extraordinária, todos os senadores norte-americanos para serem informados sobre a atual crise com a Coreia do Norte.

  • Ivanka Trump vaiada por defender o pai durante debate sobre igualdade de género
    1:51

    Mundo

    Com o propósito de criar pontes com Donald Trump, a chanceler alemã Angela Merkel convidou a filha mais velha do Presidente norte-americano para participar numa cimeira. No entanto as coisas não correram muito bem e Ivanka Trump foi vaiada pela audiência por ter defendido o pai quando o assunto era a igualdade de género. 

  • Papa apelou à revolução da ternura
    0:52
  • Irmã da mulher mais pesada do mundo acusa hospital de mentir

    Mundo

    A irmã da mulher egípcia que se acreditava ser a mais pesada do mundo acusou os médicos de mentirem acerca da sua perda de peso. No entanto, o hospital que realizou a cirurgia bariátrica já respondeu às acusações, defendendo que a mulher pesa agora 172 quilos.

  • Diário de John F. Kennedy vendido por 660 mil euros

    Mundo

    Um diário escrito por John F. Kennedy quando jovem, durante uma curta passagem pelo jornalismo, depois da II Guerra Mundial, foi vendido por mais de 700 mil dólares (642 mil euros), informou esta quarta-feira uma casa de leilões.