sicnot

Perfil

País

Dezoito escolas inflacionam notas dos alunos e outras 11 são demasiado exigentes

Dezoito escolas, na sua maioria privadas, deram notas aos seus alunos acima dos valores médios espectáveis, enquanto outras onze, maioritariamente públicas, deflacionaram as notas internas, o que poderá indiciar diferentes critérios de avaliação.

(Arquivo)

(Arquivo)

Lusa

Quando se candidatam ao ensino superior os alunos concorrem com as notas que obtiveram ao longo dos três anos do ensino secundário (notas internas) e com os exames nacionais.

Idealmente, as escolas deveriam ter critérios de avaliação semelhantes e o Ministério da Educação e Ciência criou um critério para tentar comparar esses critérios.

Assim, foram comparadas as notas internas atribuídas pelas escolas aos seus alunos com as notas internas atribuídas pelas outras escolas do país a alunos com resultados semelhantes nos exames nacionais.

Os resultados, que analisam quatro anos, apontam para onze escolas que sistematicamente dão notas mais baixas aos seus alunos e outras dezoito que estão a fazer o oposto, ou seja, a inflacionar as notas internas.

Entre as onze escolas "mais exigentes", sete são públicas: Escola Secundária José Estevão, em Aveiro; Escola Básica e Secundária da Batalha; Escola Secundária Damião de Goes, em Alenquer; Escola Secundária de São João do Estoril, em Cascais; Escola Secundária do Restelo, em Lisboa; Escola Secundária D. Pedro V, em Lisboa e Escola Secundária Dr.ª Felismina Alcântara, em Mangualde.

As privadas que deflacionaram as notas são Colégio Rainha D. Leonor; Colégio Dr. Luís Pereira da Costa; Escola Técnica e Liceal Salesiana de Stº António e Colégio Santo André.

Já no sentido oposto, há mais escolas privadas a dar melhores notas do que públicas: dos 18 estabelecimentos de ensino que inflacionam as notas internas, quatro são públicas e 14 privadas.

Entre as privadas, encontram-se o Colégio "D. Diogo de Sousa", Colégio João Paulo II, Externato "Carvalho Araújo", Colégio Sezim - Egas Moniz, Externato "Camões", Externato Liceal "Paulo VI", Colégio Novo da Maia, Colégio D. Duarte, Externato "Ellen Key", Colégio "Luso Francês", Externato "Ribadouro", Colégio da Trofa, Colégio do Minho e Colégio de Lamego.

Já as públicas que deram notas acima do espetável, encontram-se a Escola Secundária Júlio Dinis, em Ovar, a Escola Secundária de Fafe, Escola Secundária João de Deus, em Faro, Escola Secundária D. Afonso Sanches, em Vila do Conde.

Para esta análise foram analisados os exames nacionais dos 11.º e 12.º anos, de todas as disciplinas, realizados na 1.º fase pelos alunos internos de 558 escolas.

Estes dados estão disponíveis a partir de hoje no site www.infoescolas.mec.pt .

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.