sicnot

Perfil

País

Enfermeiros em greve de três dias a partir de terça-feira

Os enfermeiros estarão em greve de 11 a 13 de agosto nas regiões de Lisboa, Alentejo e Algarve, em protesto contra o adiamento da sua revisão salarial, enquanto médicos e setores social e privado continuam a receber incentivos.

(Arquivo)

(Arquivo)

Reuters

Em comunicado, o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) anunciou uma greve na ARS de Lisboa e Vale do Tejo a 11, na região do Alentejo a 12 e no Algarve a 13, contestando que o ministro da Saúde "retire" a estes profissionais "para custear Misericórdias, PPP's [Parcerias Publico-Privadas] e outros grupos profissionais".

Nesse contexto, os enfermeiros questionam a tutela sobre se esta é a sua lógica de "equilíbrio orçamental", já que é o argumento usado pelo ministério da Saúde como "justificação para protelar a revisão salarial dos enfermeiros".

Para sustentar as suas acusações, o SEP recorda que recentemente o ministério anunciou mais 125 milhões para apenas oito 8 Misericórdias do Norte, incentivos para fixação de médicos na "periferia", bem como concursos de promoção na carreira médica.

O SEP sublinha ainda o facto de o Tribunal de Contas ter concluído que o funcionamento da PPP de Loures acarreta mais custos do que hospitais públicos idênticos e afirma estar "em curso, de forma clandestina, negociação para atribuir incentivos aos médicos nas USF modelo A e Unidades de Cuidados na Comunidade".

Paralelamente a isto -- salienta o sindicato - milhares de enfermeiros continuam com um salário abaixo do valor de referência, cerca de 12 mil especialistas não têm qualquer valor salarial que compense as qualificações e a competência diferenciada, e continuam em dívida milhares de horas a mais trabalhadas e incentivos aos enfermeiros que trabalham em USF modelo B.

Quanto a valores concretos, o SEP fala em perdas de cerca de 250 milhões de euros por congelamento das progressões e de 120 milhões de euros em resultado do corte em 50% das horas penosas.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.