sicnot

Perfil

País

Termina hoje primeira fase de candidaturas ao ensino superior

A primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior público termina hoje, com mais de 45 mil candidaturas entregues até ao final de quinta-feira, de acordo com dados do Ministério da Educação e Ciência (MEC).

[arquivo]

[arquivo]

© Phil Noble / Reuters

O MEC confirmou à Lusa que, durante o dia de quinta-feira, foi ultrapassado o limiar das 45 mil candidaturas, número que supera o total de 42.455 de 2014, e confirma a recuperação iniciada no ano passado no número de candidatos a frequentar o ensino superior.

A primeira fase de acesso ao ensino superior arrancou a 20 de julho, com 50.555 vagas disponíveis para 1.048 cursos em universidades e politécnicos públicos, iniciando-se a entrega de candidaturas através do portal da DGES.

O processo de candidaturas decorre até à meia-noite de hoje, e os resultados do concurso vão ser divulgados um mês depois, a 07 de setembro, no portal da DGES.

De acordo com os dados disponibilizados pela DGES, há este ano menos 265 vagas no ensino superior público, na primeira fase do concurso nacional de acesso, face às 50.820 de 2014, uma redução em termos percentuais inferior a 1%.

O número de vagas para aceder aos cursos superiores públicos está em queda desde 2012, depois de, em 2011, se ter atingido um pico de oferta com 53.500 vagas levadas a concurso.

Lusa

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Donald Trump em Israel
    2:14
  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.