sicnot

Perfil

País

Um em cada cinco alunos chumba ou desiste durante o ensino secundário

Um em cada cinco alunos chumba ou desiste de estudar no ensino secundário e é no 12ª ano que o sucesso se revela mais complicado, indicam dados do Ministério da Educação e Ciência.

Entre os anos letivos de 2009/2010 e 2012/2013, 22% dos alunos do secundário inscritos em cursos cientifico-humanísticos não conseguiram fazer os três anos de escolaridade no tempo previsto, segundo a taxa de retenção ou desistência.

Nesta taxa, que mostra a percentagem de alunos que não transita para o ano seguinte, misturam-se os casos de quem reprova com aqueles que anulam a matrícula, por várias razões como desistirem de estudar ou abandonar o país.

Os dados, disponíveis a partir de hoje no site www.infoescolas.mec.pt, mostram que o 12.º ano é o mais difícil, com 35% dos alunos a não conseguir terminá-lo com sucesso à primeira.

Olhando para a evolução ao longo dos três anos percebe-se que os alunos têm algumas dificuldades quando chegam ao 10.º ano (17% dos estudantes não passam ou desistem), mas no 11.º ano a situação melhora um pouco (taxa de retenção é de 13%).

No entanto, nos últimos anos, o insucesso escolar no 10ª ano diminuiu (de 18% para 16%), mas no 11º ano verificou-se a tendência oposta, com a taxa de retenção a subir de 12% para 14%.

Os municípios com mais problemas são Mogadouro (37%), Amadora e Ourique (ambos com 35%), Mora e Penamacor (34%) e Alter do Chão (33%), onde um em cada três alunos não consegue fazer o secundário em três anos.

Pampilhosa da Serra e Sines (ambos 30%) e Moita e Torre de Moncorvo (31%) são outros dos distritos mais preocupantes.

Alguns municípios repetem-se quando se olha apenas para os resultados do 12.º ano, onde mais de metade dos alunos não conseguiu concluir o último ano de ensino à primeira: Alter de Chão volta a destacar-se pela negativa com 61% dos alunos a não conseguir fazer o último ano à primeira, seguindo-se Mogadouro e Mação (55%) e Amadora (52%).

Entre as zonas do país com mais sucesso escolar surgem apenas seis municípios com taxas abaixo dos 15%, com destaque para Murtosa, onde apenas um em cada dez alunos (10%) não consegue fazer este ciclo de ensino nos três anos previstos.

Depois, surge o Entroncamento (11%) e Moimenta da Beira (13%) e, com uma taxa de 14%, os municípios de Armamar, Ponte de Lima, Paredes de Coura, São Brás de Alportel, Carrazeda de Ansiães, Mira e Arruda dos Vinhos.

Nelas, Monção, Manteigas, Arouca, Oliveira de Azeméis, Ansião e Batalha são as zonas do país onde se registaram 15% de retenções ou desistências.

Num universo de 244 municípios analisados, 105 tiveram taxas de reprovação e desistência acima da média, 124 a baixo e 15 autarquias ficaram dentro da média nacional de 22%.

Lusa

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.