sicnot

Perfil

País

Mais de 3.000 médicos pediram reforma antecipada desde 2011

Mais de três mil médicos pediram reforma antecipada desde 2011, muitos para continuarem a trabalhar no privado, segundo dados da Federação Nacional dos Médicos, que alerta ainda para a emigração de clínicos sem precedentes na história do país.

Numa conferência de imprensa em que realizou um balanço dos últimos quatro anos de governação na área da saúde, a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) mostrou preocupação com o abandono de profissionais do Serviço Nacional de Saúde (SNS), quer por via da emigração como através de reformas antecipadas.

"É um êxodo de médicos nunca visto no nosso país. Nem no período da Guerra Colonial houve tantos médicos a saírem para outros países. Não porque no seu país não tivessem emprego, mas porque estavam a ser mal tratados, mal remunerados e sem perspetivas de progressão. São centenas e centenas de médicos", afirmou Mário Jorge Neves, dirigente da FNAM

Trata-se, disse, de uma "autêntica fuga de cérebros", com a saída de "pessoas altamente qualificadas". Porque, segundo Mário Jorge Neves, não são apenas os profissionais em início de carreira a emigrar, havendo alguns que atingiram mesmo o topo da carreira médica.

Merlinde Madureira, presidente da FNAM, sublinhou ainda que, no caso dos jovens médicos, há muitos países "ávidos de contratar" portugueses, como os países nórdicos, que chegam mesmo a oferecer propostas de contrato antes de acabarem a especialidade.

Já no caso do abandono do SNS para o setor privado, a presidente da FNAM considera que são os médicos mais experientes ou diferenciados que mais têm oportunidades, muitos recorrendo à reforma antecipada para continuar a exercer apenas no privado.

Merlinde Madureira sublinha que as reformas antecipadas não estão a ser usadas para os médicos deixarem de trabalhar, mas antes para abandonarem o setor público.

"Queremos desmistificar aquilo que parece ser tudo rosas num Ministério onde, realmente, predominam os espinhos", referiu a dirigente sindical.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.