sicnot

Perfil

País

Pelo menos 48 burlas com casas para férias até ao início de agosto

Pelo menos 48 pessoas foram burladas este ano quando arrendaram casas para férias através da internet, a maior parte das quais no Algarve, perdendo cada vítima valores entre os 200 e os 2.000 euros, revelou hoje a GNR.

Em resposta a questões da agência Lusa, a GNR revelou que, até 05 de agosto, foram registadas 48 queixas de pessoas que se sentiram lesadas no arrendamento de casas para férias.

Metade destas ocorrências verificou-se em julho, e, nos primeiros cinco dias de agosto, foram registados mais seis casos.

A maior parte das queixas registadas este ano ocorreram nos distritos de Faro (19), de Aveiro (seis) e de Braga (quatro).

"Para realizar este tipo de burla, os suspeitos publicam anúncios de arrendamento de imóveis a preços apelativos, em sítios da internet, podendo algumas dessas publicações ser acompanhadas por fotografias de imóveis reais, apesar da situação de arrendamento ser falsa", explicou a GNR.

De acordo com esta força de segurança, as vítimas são normalmente pessoas que procuram imóveis para arrendar no período de férias através da internet.

As vítimas encontram o imóvel pretendido, efetuam "o contacto telefónico para um número que se encontra disponível no sítio do anúncio", altura em que lhe é pedido que transfira um determinado valor monetário como "sinal" para uma conta bancária, através de um Número de Identificação Bancária (NIB).

"A vítima só percebe que foi burlada quando tenta efetuar um contacto para o número de telefone do suspeito, verificando que o número deixou de estar ativo, ou quando pretende recolher a chave da habitação e ninguém aparece ou quando chega à morada que lhe foi fornecida, verificando que esta não existe", salientou.

Na maioria dos casos, de acordo com a GNR, "o valor depositado (como sinal) ronda os 200 euros, mas existem casos em que este valor chegou perto dos 2.000 euros, situações estas em que as vítimas pagaram a totalidade do arrendamento".

A GNR destacou ainda que, "na prática, tem sido possível identificar diversos suspeitos deste tipo de crime através dos NIB e números de contas bancárias fornecidas".

Em termos comparativos, nos últimos cinco anos, 2014 foi o que teve mais denúncias, num total de 87. Em 2011, a GNR registou um total de 45 destes crimes, em 2012 assinalou 74 e em 2013 investigou 67.

Desde 2000, Faro foi sempre o distrito com maior número de queixas, mas também Aveiro, Setúbal e Braga estão entre os distritos com mais incidências.

Lusa

  •  Turismo de cruzeiros aumenta em Lisboa e Porto
    2:52

    Economia

    Os cruzeiros continuam a chegar a bom ritmo a Lisboa e, por isso, será necessário ampliar o terminal, já no próximo ano. Este ano, até Maio, Lisboa e Porto já viram os visitantes estrangeiros aumentar em 10 por cento e a maioria revela a intenção de voltar para férias com mais tempo.

  • Férias no litoral alentejano
    3:00

    País

    No roteiro pelo litoral alentejano, a SIC acompanhou uma edição de pesca desportiva no mar. Trata-se de um dos produtos mais solicitados pelos turistas, que cada vez mais querem luxo nas suas férias.

  • ANACOM apresenta recomendações para melhorar redes de telecomunicações
    1:17

    País

    A ANACOM entregou um conjunto de recomendações ao Governo, Parlamento, municípios e operadores de telecomunicações. A autoridade reguladora em Portugal das comunicações eletrónicas propõe que os cabos aéreos de telecomunicações sejam substituídos por cabos subterrâneos, entre outras coisas. O objetivo é impedir que as redes fiquem em baixo perante incêndios ou outras catástrofes.

  • Ministra do Mar não aceita suspensão da pesca da sardinha
    2:39

    Economia

    O organismo científico que aconselha a Comissão Europeia em matéria de pescas recomendou esta sexta-feira que Portugal e Espanha não pesquem sardinha no próximo ano. A Ministra do Mar não aceita esta recomendação de capturas zero e vai propor uma redução do limite de capturas de sardinha das 17 mil toneladas deste ano para cerca de 14 mil em 2018.

  • Atividade económica regista crescimento

    Economia

    A atividade económica portuguesa está a crescer ao maior ritmo dos últimos 17 anos. O crescimento registado em setembro é o mais elevado desde janeiro de 2000. Já o consumo privado registou uma diminuição face a agosto.

    SIC