sicnot

Perfil

País

"Lisboa na Rua" anima jardins e praças da capital com espetáculos culturais

O "Lisboa na Rua" volta a animar os principais jardins e praças da capital com espetáculos de música, cinema e artes visuais de entrada livre, a partir de 20 de agosto até 20 de setembro.

SIC

Desde 2009 que o "Lisboa na Rua" transforma, durante o verão, os espaços ao ar livre da capital em "lugares de usufruto cultural, valorizando a riqueza patrimonial", referiu fonte da Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC), responsável pela organização.

O Jardim do Arco do Cego, o Parque da Quinta das Conchas, o Largo da Estação do Rossio, o Largo de São Carlos, o Jardim das Esculturas do MNAC - Museu do Chiado e a Ribeira das Naus são alguns dos palcos desta programação cultural ao ar livre, que proporciona espetáculos de jazz, fado, cinema ao ar livre, teatro, exibição de filmes clássicos e instalações de artes visuais como a videoarte e a fotografia.

A 7.ª edição do "Lisboa na Rua" abre na quinta-feira, 20 de agosto, às 19:00, no Jardim do Arco do Cego, com um concerto da Orquestra AngraJazz integrado no ciclo 'A Arte da Big Band', que apresentará todas as quintas-feiras "dezenas de músicos que compõem cinco grandes orquestras de jazz", informou a organização, destacando a 'big band' alemã Thoneline Orchestra.

De acordo com o programa, às sextas-feiras vão decorrer as 'Noites de Verão' com concertos no Jardim das Esculturas do MNAC -- Museu do Chiado, e aos sábados 'Clássicos na Rua', em diversos espaços da cidade com "o estilo 'ragtime', contando ainda com um concerto em homenagem a Frank Zappa".

O 'Fitas na Rua' vai projetar ao ar livre "nove filmes sobre Lisboa", aos sábados e domingos, às 22:00, começando com um filme de 1949, "Heróis do Mar", de Fernando Garcia.

Este ano, o "Lisboa na Rua" tem uma parceria com o Teatro Nacional D. Maria II, o 'Entrada Livre' com atividades diversas dentro e fora do teatro, de 11 a 13 de setembro, desde conversas, concertos na varanda, leituras na fachada do Palácio da Independência e a estreia de cinco peças de teatro.

A 'Cidade das Tradições', um programa dedicado às famílias com jogos, cinema, folclore, brinquedos, artesanato, dança e exposições, integra pela primeira vez o "Lisboa na Rua" para "valorizar e difundir as práticas culturais tradicionais e do património português", comunicou a organização.

O fado volta a integrar a programação do "Lisboa na Rua", em parceria com o Museu do Fado, apresentando cinco fadistas: Raquel Tavares, Amélia Muge, Kátia Guerreiro, António Chainho e Jorge Fernando.

O festival parisiense 'Kiosquorama', o 'Fuso' - festival anual de vídeo arte internacional de Lisboa e o 'Flâneur', um projeto de arte no espaço público, estão também inseridos na programação cultural do "Lisboa na Rua", disponível no 'site' www.lisboanarua.com.

Segundo fonte da EGEAC, o "Lisboa na Rua" recebeu "cerca de 20.300 espetadores" em 2014, pelo que a expectativa para esta 7.ª edição é de "continuar a contar com o interesse e entusiasmo de um público seguidor e muito diverso: famílias, casais, grupos de jovens, portugueses, estrangeiros".

Organizado pela EGEAC, em parceria com o Turismo de Lisboa e o Turismo de Portugal "pela importância que tem para o fluxo turístico nesta época do ano", a programação cultural resulta de um investimento "no valor de 250 mil euros".

  • Explosão no aeroporto de Damasco

    Mundo

    Uma explosão de grandes dimensões atingiu, esta manhã, o aeroporto de Damasco, na capital Síria. O ataque terá sido realizado pelas forças israelitas.

    Em atualização

  • Habitantes de Almeida barricaram-se durante seis horas em agência da CGD
    2:31

    País

    Perto de 100 pessoas estiveram esta quarta-feira barricadas na agência da Caixa Geral de Depósitos em Almeida, distrito da Guarda. O protesto contra o encerramento da agência só terminou quase seis horas depois, com a garantia que os autarcas serão recebidos na próxima terça-feira pela Administração do banco público. 

  • Carro que atropelou adepto encontrado na casa de um amigo do suspeito
    2:18

    Desporto

    O carro que terá atropelado o adepto italiano que morreu junto ao Estádio da Luz foi encontrado esta terça-feira, numa garagem na Amadora, na casa de um amigo do suspeito. Trata-se de um homem na casa dos 30 anos que pertence à claque No Name boys e é agora procurado pela Polícia Judiciária.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Web Summit inaugura primeiro escritório fora da Irlanda em Lisboa
    1:58

    Web Summit

    A Web Summit inaugurou em Lisboa o primeiro escritório fora da Irlanda, que vai dar emprego a 20 pessoas, algumas portuguesas. O próximo objectivo é alargar eventos a outros pontos do país. A conferência internacional regressa a Lisboa entre 6 e 9 de novembro e a organização espera ter 60 mil participantes.

  • Ivanka Trump vaiada por defender o pai durante debate sobre igualdade de género
    1:51

    Mundo

    Com o propósito de criar pontes com Donald Trump, a chanceler alemã Angela Merkel convidou a filha mais velha do Presidente norte-americano para participar numa cimeira. No entanto as coisas não correram muito bem e Ivanka Trump foi vaiada pela audiência por ter defendido o pai quando o assunto era a igualdade de género. 

  • Papa apelou à revolução da ternura
    0:52
  • Irmã da mulher mais pesada do mundo acusa hospital de mentir

    Mundo

    A irmã da mulher egípcia que se acreditava ser a mais pesada do mundo acusou os médicos de mentirem acerca da sua perda de peso. No entanto, o hospital que realizou a cirurgia bariátrica já respondeu às acusações, defendendo que a mulher pesa agora 172 quilos.

  • Diário de John F. Kennedy vendido por 660 mil euros

    Mundo

    Um diário escrito por John F. Kennedy quando jovem, durante uma curta passagem pelo jornalismo, depois da II Guerra Mundial, foi vendido por mais de 700 mil dólares (642 mil euros), informou esta quarta-feira uma casa de leilões.