sicnot

Perfil

País

Polícias avançam com ações de protesto contra não aprovação do estatuto

A Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) anunciou esta quinta-feira que vai realizar várias ações de protesto para contestar a não aprovação do estatuto profissional da PSP pelo Governo.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

O presidente da ASPP, Paulo Rodrigues, avançou à agência Lusa que os dirigentes do sindicato vão reunir-se nos próximos dias, para decidir e marcar formas de luta, que se vão prolongar no tempo com a realização de vários protestos, nomeadamente durante a campanha eleitoral.

"O dia de hoje era a data limite que a ASPP dava ao Governo para aprovar em Conselho de Ministros o estatuto profissional", disse Paulo Rodrigues, afirmando que, mais uma vez, o sindicato foi confrontado com a sua não aprovação.

Entretanto, o ministro da Presidência disse hoje que os estatutos da PSP e da GNR são "processos que ainda não estão concluídos", mas que "oportunamente" vão ser discutidos e aprovados em Conselho de Ministros.

O presidente do sindicato mais representativo da PSP sublinhou que, "neste momento, os polícias, não podem confiar na palavra do Governo", realçando que a ministra da Administração Interna tem afirmado, várias vezes, que quer aprovar o documento o mais rapidamente possível.

Paulo Rodrigues adiantou que o processo negocial com o Ministério da Administração Interna (MAI) ficou concluído em julho, tendo a ASPP chegado a acordo sobre alguns pontos do estatuto.

Nesse sentido, considerou que o Governo devia assumir os compromissos ou então afirmar que "já não vai aprovar o estatuto", relembrando que este executivo "anda a falar na alteração do estatuto há quatro anos".

"O MAI assumiu e não cumpriu, o MAI diz mas não faz. A esta postura irresponsável, a ASPP/PSP responde na defesa do respeito pelos homens e mulheres desta instituição", refere o sindicato em comunicado, mostrando "total indignação pela forma desrespeitosa como este Governo está a tratar os polícias".

A ASPP diz ainda que, nas ações de protesto, vão deixar "bem claro que este Governo não merece a confiança" dos polícias.

No memorando assinado entre o MAI e quatro sindicatos da PSP ficou estabelecido que os polícias mantinham as 36 horas de trabalho e passavam a ter uma nova tabela remuneratória, que permitiria um aumento de salário até 50 euros, além de permitir que a passagem à pré-aposentação passe a ser automática aos 55 anos de idade e 36 anos de serviço e a reforma aos 60 anos sem qualquer penalização.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.