sicnot

Perfil

País

Polícias avançam com ações de protesto contra não aprovação do estatuto

A Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) anunciou esta quinta-feira que vai realizar várias ações de protesto para contestar a não aprovação do estatuto profissional da PSP pelo Governo.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

O presidente da ASPP, Paulo Rodrigues, avançou à agência Lusa que os dirigentes do sindicato vão reunir-se nos próximos dias, para decidir e marcar formas de luta, que se vão prolongar no tempo com a realização de vários protestos, nomeadamente durante a campanha eleitoral.

"O dia de hoje era a data limite que a ASPP dava ao Governo para aprovar em Conselho de Ministros o estatuto profissional", disse Paulo Rodrigues, afirmando que, mais uma vez, o sindicato foi confrontado com a sua não aprovação.

Entretanto, o ministro da Presidência disse hoje que os estatutos da PSP e da GNR são "processos que ainda não estão concluídos", mas que "oportunamente" vão ser discutidos e aprovados em Conselho de Ministros.

O presidente do sindicato mais representativo da PSP sublinhou que, "neste momento, os polícias, não podem confiar na palavra do Governo", realçando que a ministra da Administração Interna tem afirmado, várias vezes, que quer aprovar o documento o mais rapidamente possível.

Paulo Rodrigues adiantou que o processo negocial com o Ministério da Administração Interna (MAI) ficou concluído em julho, tendo a ASPP chegado a acordo sobre alguns pontos do estatuto.

Nesse sentido, considerou que o Governo devia assumir os compromissos ou então afirmar que "já não vai aprovar o estatuto", relembrando que este executivo "anda a falar na alteração do estatuto há quatro anos".

"O MAI assumiu e não cumpriu, o MAI diz mas não faz. A esta postura irresponsável, a ASPP/PSP responde na defesa do respeito pelos homens e mulheres desta instituição", refere o sindicato em comunicado, mostrando "total indignação pela forma desrespeitosa como este Governo está a tratar os polícias".

A ASPP diz ainda que, nas ações de protesto, vão deixar "bem claro que este Governo não merece a confiança" dos polícias.

No memorando assinado entre o MAI e quatro sindicatos da PSP ficou estabelecido que os polícias mantinham as 36 horas de trabalho e passavam a ter uma nova tabela remuneratória, que permitiria um aumento de salário até 50 euros, além de permitir que a passagem à pré-aposentação passe a ser automática aos 55 anos de idade e 36 anos de serviço e a reforma aos 60 anos sem qualquer penalização.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28