sicnot

Perfil

País

Sampaio da Nóvoa diz que não vai ajustar campanha em função de apoios políticos

O anunciado candidato à Presidência da República Sampaio da Nóvoa disse hoje entender que os apoios dos partidos só sejam anunciados após as legislativas e vincou que não vai ajustar a sua candidatura em função dos apoios que obtenha.

Lusa/Arquivo

Lusa/Arquivo

FERNANDO VELUDO

"Não vou andar a fazer guinadas nem para a direita nem para a esquerda, nem para um lado ou para o outro em função do apoio disto ou daquilo", disse à Lusa, acrescentando que aceitará todos os apoios e de todos os portugueses que se sintam em sintonia com a sua candidatura.

À margem de um debate sobre a descentralização cultural que decorreu em Tavira, Sampaio da Nóvoa apontou que a sua candidatura precisa de se reforçar e ganhar "uma projeção e uma dimensão de vitória".

"É evidente que isso se faz também com os partidos que queiram aderir a este processo e obviamente que isso é uma condição importante", referiu, sublinhando que a linha e princípios da candidatura estão definidos e que não os irá "alterar um milímetro".

O secretário-geral do PS, António Costa, não se tem pronunciado sobre o apoio socialista a candidatos presidenciais, garantindo que só o fará "no momento próprio" e que "não será fator de divisão".

Este domingo, o candidato parte de bicicleta de Vilamoura numa iniciativa em que pretende estreitar contacto com a população algarvia.

Em dois dias, Sampaio da Nóvoa pretende fazer duas etapas (Vilamoura - Olhão e Olhão -- Tavira), em quatro praças diferentes e vários pontos de paragem.

"Vamos ensaiar uma espécie de diálogo entre as questões do que são estilos de vida saudáveis a partir do uso da bicicleta (...) com a ideia da cidadania", concluiu.

Dada a proximidade das eleições legislativas, Sampaio da Nóvoa pretende acalmar as iniciativas da sua campanha até 04 de outubro, sublinhando que este é momento eleitoral prioritário em que os portugueses têm de estar concentrados.

Lusa

  • Novas imagens dos momentos após Khalid Masood ter embatido no muro do Parlamento britânico
    1:35
  • Parlamento português pede demissão de Dijsselbloem

    País

    A Assembleia da República foi hoje unânime na condenação das polémicas declarações do presidente do Eurogrupo, mas recusou um ponto pela rejeição de diversos compromissos com a União Europeia (UE) exigida pelo PCP.

  • Comissão Europeia quer proibir o tabaco na praia

    País

    A Comissão Europeia quer proibir o tabaco em todos os espaços públicos, incluindo praias, parques infantis e equipamentos desportivos. A proposta foi apresentada pelo comissário da Saúde e Segurança Alimentar que, além de querer reduzir a dependência do tabaco, também sugere que todos os estados membros apliquem uma idade mínima para a venda de tabaco.

  • Como se resolve a falta de espaço numa cidade chinesa?
    1:07