sicnot

Perfil

País

Morreu o segundo trabalhador vítima de acidente de trabalho em Abrantes

ÚLTIMA

Um segundo trabalhador acabou hoje por falecer no Serviço de Urgências do hospital de Abrantes, após ali ter dado entrada em paragem cardiovascular respiratória e depois de ter sido atingido pela queda de uma placa de betão.

Ao final da tarde, cerca das 18:00, a queda de uma placa de betão de revestimento da fachada do edifício já havia provocado a morte imediata a um dos trabalhadores presentes no local, tendo um outro trabalhador sido transferido em estado muito grave para o hospital de Abrantes, onde viria a falecer.

"Foram feitas sem sucesso as manobras de reanimação tendo o óbito sido declarado poucos minutos depois no Serviço de Urgências do Centro Hospitalar do Médio Tejo, na unidade hospitalar de Abrantes", disse à Lusa fonte daquela unidade.

A queda de uma placa de betão de revestimento da fachada do edifício decorreu no âmbito dos trabalhos de conclusão da futura Unidade de Saúde Familiar (USF) de Abrantes.

O novo equipamento, que está a ser construído na Rua Nossa Senhora da Conceição, no centro da cidade, conta com três pisos e estava em fase final de construção, estando prevista a sua conclusão até final do ano.

Em declarações à agência Lusa, a presidente da Câmara de Abrantes, Maria do Céu Albuquerque, "lamentou" o incidente e disse que as obras vão parar durante dois dias "por luto para com os trabalhadores falecidos".

A autarca disse ainda que as causas do acidente que causou as duas vítimas mortais vão ser "averiguadas por quem de direito".

"A autarquia foi acompanhando o evoluir dos trabalhos, que decorreram sempre com normalidade e que estão na sua fase final, e este acidente vai ser averiguado pela Autoridade para as Condições de Trabalho, sendo que o empreiteiro é o responsável pela execução dos trabalhos e pelas respetivas condições de segurança", afirmou.

Segundo a autarca, o acidente "em princípio, não afetará a conclusão das obras", que se prevê para dentro de poucas semanas.

A nova Unidade de Saúde Familiar (USF) de Abrantes, com um investimento total de 1.359.081,18 euros - uma parceria da Câmara de Abrantes, da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) e do Agrupamento de Centros de Saúde do Médio Tejo (ACES) - está a ser construída na antiga rodoviária, no centro da cidade.

A última visita aos trabalhos de construção aconteceu no passado dia 15 de maio, tendo marcado presença a presidente da Câmara de Abrantes, Maria do Céu Albuquerque, a diretora do ACES do Médio Tejo, Sofia Theriaga, e Luís Pisco, vice-presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo.

A nova Unidade de Saúde Familiar de Abrantes vai substituir o centro de saúde instalado no edifício do hospital Manuel Constâncio.

Com Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.