sicnot

Perfil

País

Morreu o segundo trabalhador vítima de acidente de trabalho em Abrantes

ÚLTIMA

Um segundo trabalhador acabou hoje por falecer no Serviço de Urgências do hospital de Abrantes, após ali ter dado entrada em paragem cardiovascular respiratória e depois de ter sido atingido pela queda de uma placa de betão.

Ao final da tarde, cerca das 18:00, a queda de uma placa de betão de revestimento da fachada do edifício já havia provocado a morte imediata a um dos trabalhadores presentes no local, tendo um outro trabalhador sido transferido em estado muito grave para o hospital de Abrantes, onde viria a falecer.

"Foram feitas sem sucesso as manobras de reanimação tendo o óbito sido declarado poucos minutos depois no Serviço de Urgências do Centro Hospitalar do Médio Tejo, na unidade hospitalar de Abrantes", disse à Lusa fonte daquela unidade.

A queda de uma placa de betão de revestimento da fachada do edifício decorreu no âmbito dos trabalhos de conclusão da futura Unidade de Saúde Familiar (USF) de Abrantes.

O novo equipamento, que está a ser construído na Rua Nossa Senhora da Conceição, no centro da cidade, conta com três pisos e estava em fase final de construção, estando prevista a sua conclusão até final do ano.

Em declarações à agência Lusa, a presidente da Câmara de Abrantes, Maria do Céu Albuquerque, "lamentou" o incidente e disse que as obras vão parar durante dois dias "por luto para com os trabalhadores falecidos".

A autarca disse ainda que as causas do acidente que causou as duas vítimas mortais vão ser "averiguadas por quem de direito".

"A autarquia foi acompanhando o evoluir dos trabalhos, que decorreram sempre com normalidade e que estão na sua fase final, e este acidente vai ser averiguado pela Autoridade para as Condições de Trabalho, sendo que o empreiteiro é o responsável pela execução dos trabalhos e pelas respetivas condições de segurança", afirmou.

Segundo a autarca, o acidente "em princípio, não afetará a conclusão das obras", que se prevê para dentro de poucas semanas.

A nova Unidade de Saúde Familiar (USF) de Abrantes, com um investimento total de 1.359.081,18 euros - uma parceria da Câmara de Abrantes, da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) e do Agrupamento de Centros de Saúde do Médio Tejo (ACES) - está a ser construída na antiga rodoviária, no centro da cidade.

A última visita aos trabalhos de construção aconteceu no passado dia 15 de maio, tendo marcado presença a presidente da Câmara de Abrantes, Maria do Céu Albuquerque, a diretora do ACES do Médio Tejo, Sofia Theriaga, e Luís Pisco, vice-presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo.

A nova Unidade de Saúde Familiar de Abrantes vai substituir o centro de saúde instalado no edifício do hospital Manuel Constâncio.

Com Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • Homem e cão resgatados das águas na Andaluzia
    0:32