sicnot

Perfil

País

Iluminações de Natal na Madeira enfrentam providência cautelar

A secretaria da Economia, Turismo e Cultura da Madeira foi esta terça-feira notificada da interposição de uma providência cautelar relacionada com as iluminações de Natal e Fim de Ano 2015/2016 pela empresa "Luzosfera", que pretende averiguar a legalidade do processo.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Ho New / Reuters

Fonte da secretaria regional liderada por Eduardo Jesus confirmou à agência Lusa a receção da notificação, hoje à tarde, mas garantiu que "o processo [da empreitada para as iluminações] está a decorrer normalmente".

A "Luzosfera" foi uma das quatro empresas que se apresentaram a concurso público para a construção dos motivos decorativos nas festas de 2015/2016, cujo valor base de adjudicação era de dois milhões de euros, tendo o Governo Regional excluído todas, optando pelo modelo de ajuste direto.

Num comunicado divulgado hoje no Jornal da Madeira, a empresa explica que a providência cautelar visa esclarecer dúvidas sobre a "legalidade e exequibilidade" do modelo de concurso público e ajuste direto escolhido pelo Governo Regional para as próximas iluminações de Natal e de Fim de Ano.

A "Luzosfera" revela ter informado, no dia 14 de agosto, a secretaria da Economia, Turismo e Cultura da "efetiva entrega no Tribunal Administrativo e Fiscal do Funchal da providência cautelar", onde identifica "as ilegalidades e as impossibilidades" do caderno de encargos para a construção dos motivos decorativos nas Festas de Natal e Fim de Ano de 2015/2016 e Festas de Carnaval de 2016 na região autónoma.

Apesar de ter interposto uma providência cautelar, a empresa diz que não pretende "obstaculizar ou retardar" os trabalhos de montagem das iluminações, realçando que, no máximo, a decisão poderá atrasar o período das consultas para o ajuste direto.

No comunicado, a "Luzosfera" garante que não se inibirá de defender os "legítimos direitos" nem de "lavar a imagem de futuros incumprimentos e prejuízos para a região", alertando ainda que as opções do atual caderno de encargos são dos mesmos autores do ano passado, quando as iluminações geraram uma onda de críticas na sociedade madeirense devido à rotura com o modelo tradicional.

A empresa questiona a exequibilidade do projeto para 2015/2016, considerando que o preço base não se coaduna com o caderno de encargos, o qual remete para materiais novos que custam entre 1,8 e 2,2 milhões de euros.

A "Luzosfera", que foi responsável por várias empreitadas de iluminação de Natal e Fim de Ano no arquipélago, incluindo a última, garante que voltará a apresentar uma "proposta competitiva", quando for consultada no âmbito do ajuste direto, conforme determina a lei.

Lusa

  • As confissões de Sérgio Conceição: do futuro no FC Porto à zanga com Rui Vitória 
    43:14
  • Marcelo descobre que vê mal "ao longe à esquerda"
    2:05

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa recebeu uma declaração dos médicos contra a despenalização da eutanásia. A audiência ao atual bastonário e cinco antecessores acontece a uma semana do tema ir a debate no Parlamento, e no dia em que o Presidente da República foi a estrela do Dia da Segurança Infantil. Marcelo aproveitou para fazer um rastreio à visão e concluiu que tem que estar "atento", à esquerda, ao longe".

  • PS "vai ficar em banho-maria durante anos" por causa de Sócrates
    0:59

    País

    Miguel Sousa Tavares considera que o PS vai ficar em "banho-maria" durante anos por causa de José Sócrates. Em entrevista na SIC Notícias, o comentador criticou os dirigentes socialistas pela forma como se tentaram demarcar do ex-primeiro-ministro e disse que António Costa devia ter tomado uma atitude mais concreta.

  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC